Skip to main content
 -
Denyse Lage Fonseca é formada em Letras e especialista em educação a distância. É autora de artigos enciclopédicos (InfoEscola.com) e de materiais didáticos (Portal Acessaber) que tratam de diversificados conteúdos relativos à Língua Portuguesa, da qual gosta desde criança. Como professora, atuou em diferentes níveis de ensino.

“dos” ou “de os”?

Para entendermos a diferença entre essas formas, proponho a você a análise destas frases:

O problema está no fato dos empregadores discordarem da redução da jornada de trabalho.

                                                                                    ou

O problema está no fato de os empregadores discordarem da redução da jornada de trabalho.    

E aí? Qual frase foi escrita em consonância com a norma culta? Bom, note que o substantivo empregadores funciona como “sujeito” do verbo discordarem. Quem é que discorda? Resposta: os empregadores e, não, dos empregadores. Nesse sentido, o sujeito não pode ser introduzido por uma preposição. A junção (preposição “de” + artigo “os” = “dos”), antes do sujeito, é comum em situações informais da comunicação. Por isso, a frase que foi construída corretamente é: O problema está no fato de os empregadores discordarem da redução da jornada de trabalho.

Agora, observe estas construções:

O problema é dos empregadores.

ou

O problema é de os empregadores.

Constate que, nesse caso, empregadores funciona como complemento do sujeito O problema. O problema é de quem? Resposta: dos empregadores. Portanto, na hora de elaborarmos as frases, não podemos confundir “sujeito” com “complemento”. Vale reforçar que se o termo funcionar como sujeito do verbo, a preposição e o artigo que o antecedem ficam separados. Caso funcionar como complemento, ficam juntos.

Está na hora de os jovens se casarem, não?

(jovens funciona como sujeito do verbo casarem)

Quanto ao casamento, a decisão é dos jovens.

(jovens funciona como complemento do sujeito a decisão)

Vale acrescentar os casos em que os sujeitos são acompanhados de um pronome, não de um artigo; ou são representados por pronomes. Em função disso, não admitem a presença de artigo: Veja:

Está na hora de estas mudanças serem aprovadas.

Está na hora de eles retornarem.

Veja mais conteúdo:

“Olhos verdes-claros”, “Olhos verde-claro” ou “Olhos verde-claros”? 

“Prefiro salgado do que doce” ou “Prefiro salgado a doce”?

“A persistirem os sintomas” ou “Ao persistirem os sintomas”?

Publicidade

30 comentários em ““dos” ou “de os”?

    1. Olá, Alencar Tadeu!

      Alegra-me muito a sua opinião tão motivadora sobre o meu blog!

      Muito obrigada pela visita!

      Volte sempre!

      Denyse.

    1. Olá, José!

      Muito obrigada pelo registro de sua opinião sobre a minha dica!

      Agradeço-lhe, imensamente, o seu interesse em acompanhar o meu blog!

      Aguardarei a sua visita constante!

      Denyse.

    1. Oi, Afonso!

      Não se desespere! Espero que o meu blog possa ajudá-lo a descomplicar a nossa língua!

      Agradeço-lhe, imensamente, a sua presença constante!

      Denyse.

    1. Olá, Marcelo Augusto!

      Muito obrigada por interagir comigo, enviando-me a sua opinião tão positiva sobre as minhas dicas!

      Agradeço-lhe a sua presença aqui no meu blog!

      Volte sempre!

      Denyse.

  1. Denyse, muito obrigado pela ajuda que você vem nos dando sobre nossa língua. Tem sido muito importante e valiosa. Continue nos auxiliando. Todo dia eu leio suas dicas. E olha que já vou fazer 77 anos! Um abraço . E parabéns.

    1. Oi, Juvelino!

      Sinto-me extremamente lisonjeada com a sua avaliação tão motivadora do meu blog!

      Fico muito feliz por saber que meus posts estão auxiliando!

      Muito obrigada pelo interesse demonstrado em acompanhar o meu blog!

      Parabéns pela sua dedicação à leitura, algo que expande os nossos horizontes!

      Volte sempre!

      Um abraço,

      Denyse.

    1. Oi, Antônio!

      Sempre brincando com as palavras… Adorei!

      Muito obrigada pelo envio de seu comentário, algo muito importante para mim!

      Volte sempre!

      Denyse.

  2. Penso que está na hora DE OS leitores do uai.com.br visitarem em maior número e com maior frequência este rico blog, que sempre nos ajuda na tarefa de escapar DAS armadilhas deste nosso belo idioma!

    1. Olá, Antônio!

      Sinto-me lisonjeada com a sua elogiosa opinião sobre o meu blog!

      Fico muito feliz por saber que estou ajudando a “escapar das armadilhas deste nosso belo idioma!”

      Muito obrigada por interagir comigo novamente!

      Denyse.

    1. Oi, Carlos Henrique!

      Sinto imensamente lisonjeada com o seu comentário sobre o meu post!

      Fico muito feliz com a sua presença constante aqui no meu blog!

      Volte sempre!

      Denyse.

    1. Olá, Alessandra!

      Fico muito contente por saber que estou ajudando muito em seu trabalho de revisão!

      Muito obrigada pelo envio de seu comentário!

      Volte sempre!

      Denyse.

    1. Olá, Waldomiro!

      Fico imensamente feliz com as suas palavras tão motivadoras!

      Agradeço-lhe demais a exposição de sua avaliação das minhas dicas!

      Valioso é ter a sua presença aqui!

      Fica o meu convite para que volte sempre!

      Denyse.

    1. Oi, Carlos Antônio!

      Fico muito contente com o fato de você “continuar aprendendo bem o Português”, por meio do meu blog!

      Muito obrigada pelo registro de sua opinião, algo muito importante para mim!

      Volte sempre!

      Denyse.

  3. Sou amante da língua portuguesa, considero-a possuidora de um riquíssimo vocabulário e você nos permite lembrarmos sempre disso. Parabéns!!

    1. Olá, Francisco!

      Fico extremamente feliz quando encontro pessoas que são amantes da língua portuguesa!

      Alegra-me, também, saber que estou sempre lembrando da riqueza da nossa língua!

      Muito obrigada por interagir comigo, algo muito valioso para mim!

      Volte sempre!

      Denyse.

  4. Oi, Denyse! Estou fazendo a correção de um texto e me deparei com esse erro. Devo classificá-lo, mas confesso que estou na dúvida. Que tipo de erro seria? Regência, ortografia, concordância?

    Obrigada desde já!

    1. Oi, Dayana!

      Estamos diante de um caso de “sintaxe de regência”, que trata das relações de dependência que as palavras estabelecem na frase.

      Muito obrigada por interagir comigo, algo muito valioso para mim!

      Volte sempre!

      Denyse.

    1. Oi, Franklin Eduardo!

      Fico muito contente com a sua opinião tão positiva sobre o meu artigo!

      Ótima é a sua presença aqui! Muito obrigada!

      Volte sempre!

      Denyse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*