Skip to main content
 -
Jornalista e Sommelier de Cervejas formada pela Doemens Academy de Munique através do Senac SP. Criadora e apresentadora da coluna Pão e Cerveja na Rádio CDL FM. Colunista do jornal Estado de Minas e da Revista PQN Notícias. Sócia-fundadora e professora da Academia Sommelier de Cerveja.

Adeus Rima dos Sabores, vamos sentir saudades

Daquelas notícias que ninguém quer ouvir e muito menos dar. O fim de algo que para nós parecia definitivo, eterno, sem chance de acabar. Assim era o Rima dos Sabores, bar/restaurante/QG/casa-da-gente, que encerra suas atividades nesta semana. Muito difícil dizer o que leva um lugar tão legal, tão querido, tão frequentado fechar as portas. Fatores múltiplos, por certo, levaram o querido Juliano Caldeira a tomar tal decisão. Fato é que o mundo cervejeiro de BH fica órfão. E não só pelo local físico, mas por todas as parcerias, participação, engajamento do Juliano em elevar a cultura da cerveja artesanal, em fortificar o segmento dos caseiros tendo sido por tantos anos membro da diretoria da Acerva Mineira. Sinto-me de certa forma culpada, porque minha assiduidade ao Rima foi quase nula nos dois últimos anos, também por fatores vários que me fizeram afastar de muitas saídas e noitadas. Infelizmente é na falta de algo que percebemos a grande importância que tem em nossa vida. E assim é com o Rima dos Sabores, um lugar que abriga tanto de minha trajetória cervejeira. R.I.P Rima dos Sabores – você vai fazer muita falta!

São tantas lembranças que tenho relacionadas ao Rima, que fica difícil elencar todas elas. Algumas divido com vocês, porque contam a história de uma década. Como esquecer que foi ali, naquelas salas coloridas, cheias de retratos e objetos reciclados, que tantas decisões foram tomadas em relação à Associação de Cervejeiros Caseiros de Minas Gerais. Formação de chapas de diretoria, eleições, workchopes importantes que nos ensinaram tanto, julgamentos de nossos concursos internos, sempre com a alegria e a boa vontade do Juliano em nos receber.

No Rima comemorei mais de um aniversário, também no Rima conheci pessoas que fazem parte da minha vida hoje.

No Rima fiz minha primeira, única e ridícula sabragem, repleta de gritos e mico público, com filminho no YouTube e tudo mais.

Foi no Rima que nos despedimos de amigos queridos, que deixaram essas montanhas para ganhar o mundo. Não é, Felipe Ratão??

E o que dizer da ConfraRima?? Quantos rótulos degustados em grupo, com direito a fichas de prova, eleição das melhores cervejas sob o único critério de ser boa para beber?

Quantos lançamentos de cervejas aconteceram naquele ambiente lotado?

Minha mãe lançou seu primeiro livro ali, em uma segunda-feira aberta exclusivamente para ela.

Quantas comilanças e experimentações! Porkone, Joelho do Amor, Feijoada de Sorvete, Avestruz Bêbada… tudo tão deliciosamente delicioso. Comida de raiz, sem mais!

E as parcerias do Rima com o Pão e Cerveja? Como esquecer de cada prato criado para as festas de aniversário do programa na Praça dos Quatro Elementos, quando esse era o único evento cervejeiro de rua nos arredores de Belo Horizonte?

Até curso de culinária chilena fiz naquela cozinha.

Olha, Juliano Caldeira, só dá para desculpar essa retirada de campo porque seus planos para a vida não se sustentam mais no Rima. É uma facada no peito saber que o nosso lugar, a casa da gente, está fechando e não mais teremos para onde correr em busca de cerveja e afeto. Siga em paz seu caminho, Juliano, na certeza que a Belo Horizonte cervejeira te deve e muito! A “Bélgica Brasileira” não existiria sem o seu esforço, seu trabalho intenso e sem sua confiança plena no talento dos outrora cervejeiros de panela, hoje grandes profissionais.

Rima dos Sabores, sentiremos saudades e tudo o que entre suas paredes vivemos ficará para sempre em nossas lembranças!

 

Me siga também nas redes sociais

Instagram@fabiana.arreguy

Facebook.com/paoecerveja

Twitter@paoecerveja

 

Publicidade

5 comentários em “Adeus Rima dos Sabores, vamos sentir saudades

    1. Não entendi a colocação. Desnecessária e sem o menor fundamento! É famoso, teve 8 anos de existência e topou com um país desgovernado, que expulsa quem quer empreender. Lamentável esse comentário!

  1. tentei ir nas 2 vezes que fui a bh, mas estava fechada nos horários que tentei ir, os horários de funcionamento eram meio complicados… q pena…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*