Mateus Solano enfrenta um mistério romântico

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

por Marcelo Seabra

Depois de uma pesquisa nada complicada, dá para concluir que a obra do escritor francês Martin Page é bem bacana. Ele parece fugir de fórmulas e convenções de gêneros e criar personagens realmente interessantes. Mas daí a achar que ele pode ser facilmente adaptado para o Cinema é um grande engano. É o que prova Talvez uma História de Amor (2018), longa nacional que chega às telas depois de uma geladeira de três anos e nos presenteia com uma história sem pé nem cabeça.

No papel principal, Mateus Solano (de Em Nome da Lei, 2016) parece fazer o melhor com o texto que tem em mãos. Mas não ajuda o fato de Virgílio simplesmente receber um recado em sua secretária eletrônica de uma pessoa que ele não conhece e ficar obcecado com isso. Aparentemente vítima de um transtorno psicológico que aparece quando é conveniente, Virgílio tem uma rotina impecável, perfeitamente descrita em um post it colado na geladeira. A tal mensagem dá aquela sacudida nessa vidinha e o leva a pensar: “Quem é Clara e por que ela terminou comigo?”

A premissa é interessante e deve levar muita gente às salas. Mas tudo logo se mostra exagerado, com alguns picos de ridículo. Situações loucas como as que acompanhamos até poderiam ser reais, mas não temos elementos que deem base para pensarmos isso. Se fosse um emaranhado de sketches, algumas seriam bem legais, enquanto outras seriam fracas ou até irritantes. Costuradas juntas, não se sustentam. Fica quase um videogame, daqueles em que a fase se repete e o herói é obrigado a insistir em matar o vilão. A diferença é que Virgílio vai encontrando conhecidos, um atrás do outro, sem resultado algum. E fica claro que ele não tem paciência suficiente para ter amigos. No máximo, colegas de trabalho.

A psicóloga vivida por Totia Meireles é obrigada a correr e descobrir a possível causa dessa repentina amnésia do personagem, se é que é isso que aconteceu. A profissional experiente e segura não sabe nada sobre o assunto e vamos descobrindo junto com ela. Enquanto o problema de Virgílio é cercado de mistério, as coisas conseguem se manter minimamente atraentes. À medida em que tudo vai clareando, vai ficando menos interessante, até cansativo. Quase como um primo pobre de Depois de Horas (After Hours, 1985). Temos um desfile de coadjuvantes desnecessários, oportunidade para o diretor Rodrigo Bernardo usar várias celebridades em pontas, como Dani Calabresa e Marco Luque. E as ações do personagem de Paulo Vilhena são incompreensíveis.

As situações que fazem menção ao transtorno de Virgílio, somadas à aparição de um cachorro – cujo único propósito é ser fofinho – nos remetem imediatamente a Melhor É Impossível (As Good As It Gets, 1997). Mas o filme mais recente é sempre inferior aos que lembra. E, se o grande diferencial que Talvez uma História de Amor prometia ter era fugir de regras pré-estipuladas, é exatamente para lá que ele ruma. O final convencional é a cereja do bolo de um filme surreal (no mau sentido) e cansativo.

O diretor (de barba) apresenta seu elenco

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Nacional e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*