Repescagem 2017: Bright

por Marcelo Seabra

Disponibilizado no final de dezembro, a Netflix lançou seu primeiro blockbuster sob fogo intenso da crítica. Quem teve acesso antecipado a Bright (2017) já garantia que seria uma bomba. Tendo em mente que se trata do diretor de Esquadrão Suicida (2016) e o roteirista de Victor Frankenstein (2015), essa afirmação seria facilmente comprovada. O resultado até tem seus méritos, mas está longe de ser bom.

Uma espécie de cruzamento moderno de O Senhor dos Anéis e Dia de Treinamento, Bright nos apresenta a um mundo de orcs, fadas, elfos, humanos e outros tipos que vivem misturados, numa alegoria óbvia e capenga às raças diferentes que coexistem no nosso dia a dia. Um orc, criaturas obrigatoriamente malignas, entra para a força policial e busca mostrar o seu valor, com todos os colegas contra, torcendo por uma morte rápida e esquecível.

No elenco, temos um Will Smith nada inspirado, trazendo apenas o lado ruim de seus filmes: carisma e esforço no zero, vaidade rumo ao topo. Joel Edgerton (de Ao Cair da Noite, 2017), debaixo de uma máscara e muita maquiagem, sai ileso desse mico, assim como Noomi Rapace (de A Entrega, 2014). Num filme de Smith, fica difícil ressaltar a presença de outros atores, já que ele pega o foco só para si. O único coadjuvante que consegue aparecer um pouco, e de forma negativa, é Edgar Ramirez (de A Garota do Trem, 2016).

David Ayer já dirigiu coisas boas, claro, como Marcados para Morrer (End of Watch, 2012). Mas é bastante irregular, como provam Esquadrão, Sabotagem (Sabotage, 2014) e Tempos de Violência (Harsh Times, 2005). E Max Landis ficou famoso por escrever Poder Sem Limites (Chronicle, 2012), e basicamente mais nada, lembrado apenas como filho de John Landis. E, mais recentemente, apontado como predador sexual nessa bem-vinda onda de revelações. Talvez por isso, não esteja envolvido na sequência de Bright, já anunciada. Apesar de altamente criticado, o longa garantiu uma boa audiência – e uma continuação.

Ramirez é apenas um dos problemas em Bright

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Homevideo e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Repescagem 2017: Bright

  1. João Televisão disse:

    Esse filme é uma pelota de cocô!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *