Manchester vira personagem em drama premiado

por Marcelo Seabra

Manchester by the sea poster

Um filme sobre nada em especial. Mas, ao mesmo tempo, sobre tudo. Pode parecer contraditório, mas essa é uma boa forma de descrever Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea, 2016), drama que chamou bastante atenção em festivais, deu um Globo de Ouro a seu protagonista e promete emplacar algumas indicações no Oscar. O filme engana em sua simplicidade, tratando de temas complexos, e consegue inserir um humor discreto e bem-vindo em meio a momentos mais pesados.

Conduzindo a trama está Casey Affleck, há dez anos atrás indicado ao Oscar como coadjuvante por O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford (2007). Já acostumado ao papel principal (como em Medo da Verdade, 2007), ele vive aqui Lee Chandler, um zelador de um conjunto de prédios que parece se esconder da vida. Bom no que faz, ele se contenta em desentupir pias e privadas, tirar o lixo e atividades similares, mesmo demonstrando potencial para ir além. Seu temperamento não é dos melhores e vez ou outra ele tem problemas de relacionamento com algum morador. Ou por ter arrumado briga no bar próximo. Sozinho em uma Boston cinzenta, ele mora em um quarto cedido pela administradora dos prédios.

Manchester by the sea scene

Em meio a essa mesmice, Lee é surpreendido pela notícia de uma morte em família e precisa voltar a Manchester, onde moram seu irmão (Kyle Chandler, de Bloodline) e o sobrinho (Lucas Hedges, de Moonrise Kingdom, 2012). Entre flashbacks e o presente, acompanhamos os fatos que levaram Lee à situação atual e o que ele faz frente à tragédia que abateu sobre sua família. A montagem ágil de Jennifer Lame (de Cidades de Papel, 2015) não deixa o público perdido e revela as informações quando são necessárias, montando o quadro dos Chandlers. O diretor e roteirista Kenneth Lonergan, originalmente um dramaturgo, tem um texto afiado, diálogos enxutos e consegue passar longe do dramalhão no qual o filme poderia ter caído.

Manchester by the sea HedgesNo elenco, além de Affleck, temos outras presenças fortes. Chandler vive Joe, o irmão de Lee, como um sujeito correto, amoroso e admirado pela comunidade. O ator passa simpatia pelo olhar, assim como entendemos quando há algo errado. Hedges (ao lado), como Patrick, o filho de Joe, também consegue demonstrar várias emoções e completa bem a dinâmica entre os três, o cerne do filme. As duas esposas têm participação importante: Michelle Williams (de Oz: Mágico e Poderoso, 2013) demonstra a competência de sempre nos poucos minutos em que aparece, fazendo a personagem que consegue balançar Lee em seu estupor, dividindo com ele uma cena particularmente emocionante; e Gretchen Mol (de Mozart in the Jungle) é a mãe de Patrick, que retoma contato com o filho depois de colocar a vida em ordem – e se tornar uma estranha para ele.

Outra figura importante a ser mencionada é a própria cidade de Manchester. Contrastando com as nuvens de Boston, ela sempre aparece ensolarada, mesmo no frio, metáfora interessante para a alternação constante entre tristeza e alegria no roteiro, bem como acontece na vida. A fotografia de Jody Lee Lipes (de Descompensada, 2015) reforça essas diferenças e torna a sessão ainda mais prazerosa. Um pouco longo, com seus quase 140 minutos, o filme não se torna cansativo, fechando suas pontas e abrindo outras possibilidades. Como na vida.

Lonergan apresenta seu elenco principal

Lonergan apresenta seu elenco principal

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*