Viggo Mortensen é o Capitão Fantástico

por Marcelo Seabra

Captain Fantastic banner

Depois de diversas indicações e alguns prêmios pelo mundo, chega aos cinemas brasileiros Capitão Fantástico (Captain Fantastic, 2016), longa que traz Viggo Mortensen à frente de seus seis filhos morando numa floresta. No ápice do estilo de vida bicho grilo, o personagem faz o que muitos sonham, mas só parece funcionar na ficção. Não faltam risos e lágrimas, o roteiro é bem equilibrado e vai de um lado a outro com muita facilidade.

Em uma de suas melhores atuações, Mortensen (de Na Estrada, 2012) vive Ben, um sujeito que decidiu se mudar com a família pra uma casinha no meio do mato e ele e a esposa seriam os professores dos filhos. Eles são quase auto-suficientes e o dinheiro que ainda sobrou na conta bancária ajuda. O problema é que a esposa tem uma doença e precisa deixá-los lá, indo para a cidade em busca de tratamento.

Em determinado momento, algo acontece e força a família a encarar a cidade. É quando vemos o deslocamento dos jovens junto a outras pessoas. Eles têm físico de atleta e todo o conhecimento que um livro pode trazer. Mas não têm vivência, maldade ou qualquer outra característica proporcionada pela vida em sociedade. O filho mais velho até parece ressentido com isso, já que não sabe se comportar frente a uma garota.

Captain Fantastic Children

Stéphane Fontaine, diretor de fotografia dos recentes e elogiados Elle e Jackie, nos proporciona uma experiência muito interessante. A floresta, com paisagens muito bonitas, parece familiar, corriqueira, enquanto ele nos mostra a cidade pelos olhos de uma criança, alguém que nunca tivesse visto um restaurante dessas grandes cadeias, ou mesmo um videogame. O choque entre as famílias é bem interessante e Ben tem argumentos fortes para provar quem tem razão.

Apesar de alguns personagens não serem bem desenvolvidos, de o roteiro não dar muita atenção a eles, outros têm uma personalidade bem formada. O diretor e roteirista Matt Ross (ator em Silicon Valley e American Horror Story) evita maniqueísmos, não temos heróis ou vilões. Ben é ao mesmo tempo um pai amoroso e um ditador durão. Ele é bem firme em suas colocações, mas estimula o debate e aceita ser contrariado. O avô das crianças, vivido por Frank Langella (de Frank e o Robô, 2012) é uma figura abominável à primeira vista. Mas ele logo se mostra uma pessoa carinhosa que cuida dos seus. E os filhos, apesar de viverem sob um esquema rígido de estudos e treinamentos físicos, são adoráveis e passíveis de erros.

Um dos filhos não foi a Cannes

Um dos filhos não foi a Cannes

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. // - Rodrigo "Piolho" Monteiro - Colaborador ocasional do Pipoqueiro, é formado em publicidade. Desde o ano 2000, já colaborou e/ou colabora com diversos sites de cultura pop, incluindo Universo HQ, o Binóculo, Delfos e Omelete. Interessado por quadrinhos e música, atualmente mantém um blog especializado em - mas não limitado a - rock e heavy metal, o Sounds of Asgard (soundsofasgard.wordpress.com).
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*