3 Dias para Matar e Anjos da Lei 2

por Marcelo Seabra

Nas últimas semanas, a correria da vida cotidiana não permitiu a este pipoqueiro colocar no “papel” as impressões sobre os filmes mais recentes a estrear. Sessões de Cinema não faltaram, mas não sobrou tempo para escrever. Por isso, seguem abaixo algumas linhas sobre as principais produções a chegarem à tela grande que ainda não apareceram por aqui.

3 Days to Kill

A nova macaquice de McG a chegar aos cinemas é a típica produção descartável estrelada por Liam Neeson, com a diferença que o ator não aparece, dando lugar a Kevin Costner. 3 Dias para Matar (3 Days to Kill, 2014) é uma ação protagonizada por um agente fodão e pai de família, apesar de separado da esposa e emocionalmente distante. Seria um prato cheio para Neeson (de Sem Escalas, 2014), mas é Costner (de O Homem de Aço, 2013) quem vive o assassino da CIA que pretende completar sua última missão para se aposentar. Sua vida, inclusive, depende disso, já que ele só terá a droga experimental para curar sua doença se eliminar o malfeitor da vez.

O diretor, mais lembrado pelas duas aventuras das Panteras (de 2000 e 2003), está mais genérico do que nunca, assumindo aqui o papel de pau mandado do roteirista e produtor Luc Besson, que assina diversas produções por ano, em funções variadas. Costner, sempre uma figura marcante e carismática, é o responsável pelo filme funcionar moderadamente, em meio a tiros, correrias e risos involuntários. Afinal, além de salvar o seu país, ele precisa ajudar a filha a passar pelas crises da adolescência. Hailee Steinfeld (de Bravura Indômita, 2010) vive a garota e passa uma relação crível com o pai, tendo um pouco mais de importância para a trama que Connie Nielsen (de Ninfomaníaca, 2013), que faz a mãe. O papel de Amber Heard (de Machete Mata, 2013), a mulher fatal que comanda o agente Renner, é o mais difícil de engolir, já que ela passa de “certinha do escritório” para “linda das ruas” de uma cena para a outra.

Costner e Heard

O resultado de 3 Dias para Matar é o filme da TV usual, que você vai assistir no dia que faltar o que fazer e você preferir evitar a trouxa de roupas para lavar. Tem momentos engraçadinhos, outros que não deveriam ser e acabam sendo, e mostra uma dose de ternura quando enfoca o relacionamento da garota com o pai. Como bônus, podemos ouvir a clássica Make It With You, da banda Bread, e Sweet Disposition, canção mais moderna, da Temper Trap. Há de agradar gerações diferentes.

Cartaz 22Outro longa que mistura comédia e policial, com perseguições, tiroteios e trapalhadas, é Anjos da Lei 2 (22 Jump Street, 2014), sequência do sucesso de 2012 que atualizou para o Cinema a série de TV exibida entre 1987 e 1991. Um pouco velha para o colegial, a dupla Jenko (Channing Tatum) e Schmidt (Jonah Hill) agora tem uma missão na faculdade. Uma mexida aqui, outra ali, e o que temos é mais do mesmo: outro caso de drogas, com uma investigação que começa após um óbito.

A interação entre os protagonistas, que funcionou tão bem da primeira vez, continua tendo sua força. Mas a repetição pura e direta e a recorrência do mesmo tipo de piadas irrita. A brincadeira da confusão dos dois com um casal gay, por exemplo, é usada à exaustão. A metapiada de se tratar de uma continuação também cansa. Eles arrumam uma forma engraçada de sustentar o título original, já que o endereço do quartel general deles mudou, mas não param de afirmar que essa missão é igual à anterior. Mas “a segunda vez é sempre pior”, como um personagem diz certa hora.

Os policiais têm nova cena com uso de drogas, se envolvem a fundo na vida que deveria ser apenas um disfarce, passam por situações que requerem improvisação e dão muitas mancadas. Tudo como ocorreu da primeira vez. Mas sem o frescor, o ineditismo que chamou a atenção há dois anos. A dupla de diretores, Phil Lord e Christopher Miller, lançou também em 2014 Uma Aventura LEGO (The LEGO Movie), filme despretensioso que funciona infinitas vezes melhor. E o dinheiro que esta continuação gerou já garantiu um terceiro, que tem até um roteirista contratado, Rodney Rothman, um dos três desse segundo episódio. Resta saber onde Jenko e Schmidt vão se infiltrar dessa vez.

A dupla vai para a Spring Break a trabalho

A dupla vai para a Spring Break a trabalho

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. // - Rodrigo "Piolho" Monteiro - Colaborador ocasional do Pipoqueiro, é formado em publicidade. Desde o ano 2000, já colaborou e/ou colabora com diversos sites de cultura pop, incluindo Universo HQ, o Binóculo, Delfos e Omelete. Interessado por quadrinhos e música, atualmente mantém um blog especializado em - mas não limitado a - rock e heavy metal, o Sounds of Asgard (soundsofasgard.wordpress.com).
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*