Tom Hanks enfrenta piratas em história real

por Marcelo Seabra

Captain Phillips posterEm abril de 2009, piratas somalianos tomaram um navio cargueiro americano e acabaram levando o comandante como refém. Essa é a história que acompanhamos em Capitão Phillips (Captain Phillips, 2013), novo longa do diretor Paul Greengrass que consegue ser tão tenso quanto Voo United 93 (United 93, 2006), com a diferença de que não foi necessário ter tanta imaginação, já que o livro do próprio Richard Phillips (coescrito com Stephan Talty) serve como base para o roteiro. O outro ponto forte da produção atende pelo nome de Tom Hanks, em mais uma bela interpretação numa carreira tão marcante.

A história de Phillips e do seqüestro do cargueiro Maersk Alabama é envolta em discórdia, membros da equipe do capitão chegaram a procurar a imprensa para desmentir a saga heróica que ele teria vivido. Foi dito que ele era um sujeito egoísta e arrogante que não se importava com a tripulação e os levou direto para a área que vinha sofrendo ataques, mesmo tendo sido repetidamente alertado. Alguns dos profissionais estão até na justiça, buscando compensação financeira pelo episódio vivido, alegando que a falta de segurança no navio foi uma falha consciente da Waterman Steamship Corp. Os engenheiros Mike Perry e John Cronan chegaram a afirmar à CNN que Phillips parecia querer ser tomado como refém, por ter conhecimento do risco e insistir em passar perto da costa da Somália, contra as recomendações.

Captain Phillips scene

Independente da discussão do mundo real, o filme é mais uma demonstração do bom Cinema de Greengrass. A exemplo de seu primeiro longa, Resurrected (1989), que acompanhava um soldado em uma jornada épica de volta para casa, o diretor se interessa por mostrar um grande feito de uma pessoa comum em uma situação extraordinária. Equilibrando a ação entre os pontos de vista dos americanos e dos somalianos, ele eleva o nível da tensão a um ponto que parece que o público está na mesma situação a que está assistindo. Como em United 93 e até em Domingo Sangrento (Bloody Sunday, 2002), conhecer os fatos não diminui em nada o impacto do final. O percurso é o que importa para Greengrass, e a câmera nervosa de Barry Ackroyd (também do United 93) percorre todo o espaço com tamanha urgência que só nos resta acompanhá-la.

Ganhador de dois Oscars e quatro Globos de Ouro, para ficar nos prêmios mais famosos, Tom Hanks consegue o feito de viver um papel que não nos remete a nenhum outro de sua vasta galeria. Para um ator tão conhecido, conseguir fazer o público se desligar dele e ver o personagem é algo a se comemorar. E ele vai mais longe: consegue fazer do Capitão Phillips uma pessoa de verdade, e não um clichê ambulante, um erro que o roteiro de Billy Ray (de Jogos Vorazes, 2012) o ajuda a evitar. Os estreantes somalianos também ajudam no quesito credibilidade, compondo um elenco competente de rostos desconhecidos.

Independente da verdade por trás dos fatos e das acusações de servir como propaganda para o Governo Obama, com a criação de um herói que eleve a moral dos norte-americanos, Capitão Phillips é uma obra construída de maneira impecável, que nos faz lamentar o fato de Greengrass ultimamente dar um intervalo de três anos entre suas realizações. Resta-nos esperar pela próxima, que infelizmente deve passar longe da série de Jason Bourne, mas certamente terá uma qualidade ímpar.

O ator e o verdadeiro Phillips comparecem ao lançamento mundial, no Festival de Nova York

O ator e o verdadeiro Phillips comparecem ao lançamento mundial, no Festival de Nova York

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Indicações, Personalidades e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Tom Hanks enfrenta piratas em história real

  1. Inadmissível sua crítica não mencionar a atuação do Barkhad Abdi. Humpf hehehe

  2. Gostaria de ter lido algo sobre a situação sociopolítica que o filme levanta, e qual era sua opinião a respeito. Você não fez nenhuma menção disso. =)

  3. Pingback: O melhor do Cinema em 2013 – e o pior | opipoqueiro

  4. Pingback: Oscar 2014 – Indicados e Previsões | opipoqueiro

  5. Pingback: Oscar 2014 – a cerimônia! | opipoqueiro

  6. Pingback: Casal maduro está À Procura do Amor | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *