Duas estreias da semana têm resultados duvidosos

por Marcelo Seabra

Deadfall

Das estreias dessa semana, duas têm títulos genéricos e andamentos arrastados, mas as direções são opostas. A Fuga (Deadfall, 2012) é um policial americano que pretende ter o estilo noir, mas acaba sendo apenas violento e aborrecido, enquanto A Busca (2012) é vendido como um thriller nacional quando é, na verdade, um drama sobre o crescimento pessoal de um sujeito que vai ao encontro do filho que sumiu de casa. Certamente, vão atrair públicos diferentes e a aceitação também vai variar bastante.

Olivia Wilde Eric BanaUsando um cenário gélido da fronteira dos Estados Unidos com o Canadá, A Fuga segue dois irmãos após um assalto cujo carro capota. Eles precisam fugir a pé e Addison (Eric Bana, de Hanna, 2011) decide se separar de Liz (Olivia Wilde, de O Preço do Amanhã, 2011) para que tenham melhores chances de escapar das autoridades. O irmão vai por dentro da floresta, interagindo com os locais em meio a um inverno rigoroso, manchando a neve de vermelho. A irmã consegue uma carona com outro errante, um ex-boxeador (Charlie Hunnan, de A Tentação, 2011) que já sai da cadeia fazendo coisa errada, mesmo que por acidente.

A família de Jay mora quase no limite entre os países e Liz pretende seguir com ele até lá, onde poderia encontrar Addison para que eles fugissem para o Canadá. Então, é apresentado o casal Mills: a mãe (Sissi Spacek, a eterna Carrie, a Estranha) é doce e compreensiva, e o pai (Kris Kristofferson, o ajudante do Blade) é arredio e empacado. Os homens Mills têm uma pendenga entre eles a resolver e o acerto de contas vai unir todos os personagens em um jantar de ação de graças dos infernos. As condições climáticas são sempre tão ruins que é difícil entender a geografia do lugar. Fácil mesmo é prever o final, que chega sem surpresas.

O inexperiente Zach Dean escreveu um roteiro inexpressivo, sem emoção ou empatia pelos personagens. Tanto faz quem morre – se acabar rápido, melhor. E de fato o filme é curto, o que pode ser seu maior acerto. O austríaco Stefan Ruzowitzky (de Os Falsários, 2007) mostra que lida melhor com dramas que com uma história policial que tenta beber nas fontes clássicas. Ele insere alguns elementos-chave, como violência, sexo e assassinatos, mas passa longe de fazer algo relevante. O bom elenco é o único atrativo deste A Fuga, mesmo que o texto não permita a ninguém ter arroubos de genialidade.

A Busca

Reforçando o bom e recente caldo brazuca, o cineasta de primeira viagem Luciano Moura reuniu verba de vários patrocínios, inclusive do pólo cinematográfico de Paulínia e da Globo Filmes, para realizar A Busca, com um orçamento total de R$ 5 milhões. Para criar interesse pelo longa, chamou Wagner Moura para o papel principal. O ator já mostrou várias vezes ser mais que “apenas” o Capitão Nascimento de Tropa de Elite (2007 e 2010) e se firmou como o provável melhor ator do nosso cinema atual. Graças à presença dele, muita gente deve conferir a obra. O ritmo lento pode ser um complicador para o público, mas o grande problema são as pontas soltas relacionadas aos personagens. A participação de Lima Duarte, por exemplo, fica flutuando, sem qualquer tipo de aprofundamento ou propósito.

Wagner MouraTheo (Moura) é um médico que parece ter se distanciado da família, afundando-se no trabalho, até que a esposa (Mariana Lima, de Doce de Mãe, 2012) resolve que é hora de ir cada um para um lado. Eles precisam, então, se acostumar com essa nova e triste situação. Intransigente e controlador, ele inconscientemente continua mandando na vida do filho e da agora ex-mulher. Um belo dia, o menino junta suas trouxas e some de casa. Começa aí a busca de Theo pelo jovem Pedro (Brás Antunes), que pegou a estrada e vai deixando rastros. No caminho, Theo conversa com todo tipo de gente, na clássica tradição do road movie. Desde agricultores a neo-hippies, passando por um aposentado esquentado, ele vai encontrando essas pessoas e, conseqüentemente, conhecendo melhor o próprio filho, e a si mesmo. Em uma das pequenas participações está Leandro Firmino da Hora, mais conhecido como Zé Pequeno, que vive um borracheiro.

Luciano Moura, que não é parente de Wagner, faz sua estreia na direção de um longa-metragem e conseguiu espaço no Festival de Sundance, do Rio e na Mostra de São Paulo. O título A Cadeira do Pai foi abandonado por este besta A Busca, que é provavelmente mais comercial e ajudaria mais a trazer espectadores. Resta saber como serão as críticas, já que o lado positivo e o negativo praticamente se equilibram. A movimentação incessante do protagonista, sempre passos atrás do filho, acaba cansando, mas Wagner Moura é um talento que merece ser acompanhado.

"Família" reunida para a estreia de A Busca

“Família” reunida para a estreia de A Busca

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas para Duas estreias da semana têm resultados duvidosos

  1. Pingback: Monstros e robôs garantem a diversão | opipoqueiro

  2. Pingback: A natureza humana é o verdadeiro assunto de Rush | opipoqueiro

  3. Pingback: Diretor de Distrito 9 cria Elysium | opipoqueiro

  4. Pingback: Missão militar dá errado e chega aos cinemas | opipoqueiro

  5. Pingback: Johnny Depp transcende a paciência do espectador | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *