Skyfall é Bond em sua melhor forma

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

por Marcelo Seabra

Em sua vigésima terceira aventura oficial, James Bond está mais afiado do que nunca. Melhor dizendo, Daniel Craig está, porque seu personagem não está em uma maré boa. No novo 007 – Operação Skyfall (Skyfall, 2012), o espião é visto como ultrapassado, está fora de forma e ainda precisa salvar o serviço secreto da Inglaterra de um suposto terrorista. Ao que tudo indica, há algo no passado de M (Judy Dench) que explica os recentes ataques. O longa já está nos cinemas, mobilizando multidões pelo mundo, e é tido como um dos melhores da duradoura franquia.

Seguindo a nova tradição de contratar bons nomes para a direção, Sam Mendes (Oscar em 2000 por Beleza Americana) assume o comando da aventura. É possível ver traços de seu Estrada para Perdição (Road to Perdition, 2002) em certos momentos, e não tem como negar que ele trouxe sua bagagem para enriquecer esta franquia. Com Mendes, chegam profissionais do calibre de Roger Deakins, grande diretor de fotografia que potencializa momentos já esperados pelos aficcionados, como uma certa perseguição sobre um trem. Paisagens belíssimas marcam a produção, que passa rapidamente apesar de seus mais de 140 minutos. Outro colaborador constante do diretor é Thomas Newman, que aqui compõe uma trilha grandiosa, digna de um super-herói, sempre usando elementos da canção clássica de John Barry. Ainda no quesito música, o tema é cantado pela badalada Adele, uma boa música (ao contrário da anterior) em uma apresentação criativa que mantém o padrão da série.

Sempre apontam Sean Connery como o melhor Bond de todos, o que não é muito justo, já que ele foi o primeiro e definiu tudo. Daniel Craig vem mostrando ser um ator de recursos, ele tem expressões variadas e consegue dar a carga dramática necessária para cada cena, fazendo o público se importar com o destino do personagem. Craig é ao mesmo tempo um brutamontes que consegue derrubar vários capangas e um sujeito que demonstra, lá no fundo, ter emoções. Depois de 007 – Cassino Royale (2006), quando se permitiu amar, Bond não parece mais ter sentimentos por mulheres, só as usando enquanto necessário. No entanto, sua relação com M é mais profunda, com algo de maternal. Ambos os personagens têm algumas informações reveladas sobre seus passados, mesmo que sejam apenas migalhas, e o título do filme tem a ver com isso. Para figuras tão secretas e misteriosas, já é alguma coisa em direção a uma profundidade.

No elenco, além de Craig e Judy, temos um novo e interessante bandido na pele de Javier Bardem (ao lado), o oscarizado psicopata de Onde os Fracos Não Têm Vez (2007). Ele tem, assim como seus antagonistas, o máximo de personalidade que parece ser possível para um vilão de Bond, o que já o coloca entre os mais legais da série. Ralph Fiennes (o Voldemort de Harry Potter) vem enriquecer a turma dos mocinhos, e consegue ser mais que apenas um burocrata atrás da mesa. Naomie Harris (de Miami Vice, 2006) é a garota mais significativa, num time que inclui também a bela Bérénice Marlohe. Ben Whishaw (de Perfume, 2006) é o novo Q, o gênio da tecnologia que fornece apetrechos mais pé no chão para o espião e Albert Finney (de O Ultimato Bourne, 2007) faz uma ponta importante.

Dos três longas com Craig, Skyfall é de longe o que tem mais humor, sempre bem dosado e nada exagerado – longe das palhaçadas de Roger Moore. Não era raro ouvir risos pela sala, mesmo que o longa tenha um tom mais sério e realista, como o que Christopher Nolan fez com Batman. A história não é exatamente original e podemos reconhecer momentos de episódios anteriores, o que acaba funcionando como uma homenagem. Tudo é bem amarrado e funciona, o que realmente importa. O roteiro, novamente escrito pela dupla Neal Purvis e Robert Wade (em seu quinto Bond), teve também a colaboração de John Logan (de A Invenção de Hugo Cabret, 2011), que já foi contratado para escrever a próxima aventura. Não se sabe ainda quem será o diretor, vilão ou intérprete do tema. Craig tem contrato assegurado e, independente de qualquer coisa, podemos sempre ter uma certeza: James Bond retornará.

O diretor Mendes (de barba branca) e seu elenco na estreia em Londres

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

15 respostas para Skyfall é Bond em sua melhor forma

  1. Muito bom esse 007, um dos melhores da franquia, se não o melhor

  2. Eu gostei do filme, mas não tive o mesmo feeling dos outros. Senti falta de mais investigação, ou algumas surpresas durante o filme. Foi tudo muito linear.

  3. DaviEnghaw disse:

    Fiz uma maratona 007 – Daniel Craig ontem aqui em casa, revi Cassino Royale e Quantum of Solace em sequencia e antes do feriadão acabar devo ver Operação Skyfall. Gosto do Daniel Craig e dessa abordagem digamos mais realista do James Bond. Esse vilão loiro do Javier Barden me remete ao Max Zorin do Christopher Walken (outro que preciso rever). Grande abraço. Parabéns pelo blog.

  4. Pingback: Ralph Fiennes estreia na direção com Shakespeare | opipoqueiro

  5. Pingback: J. Edgar de Eastwood continua misterioso | opipoqueiro

  6. Pingback: Os Melhores & Os Piores de 2012 | opipoqueiro

  7. Pingback: Novo Wachowski é bonito, longo e filosófico | opipoqueiro

  8. Pingback: Oscar 2013 – Indicados e Previsões | opipoqueiro

  9. Pingback: Novo de Terrence Malick chega aos cinemas | opipoqueiro

  10. Pingback: Grande elenco busca garotas sequestradas | opipoqueiro

  11. Pingback: Fassbender ajuda a segurar O Conselheiro do Crime | opipoqueiro

  12. Pingback: Ronins e Ryan se encontram na mediocridade | opipoqueiro

  13. Pingback: Eis o último dos indicados ao Oscar de Melhor Filme | opipoqueiro

  14. Pingback: Penny Dreadful explora na TV temas batidos | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*