Skip to main content
 -
Ricardo Kertzman nasceu em 1967. Um homem inquieto, irrequieto e inundado de sentimentos.

Um ataque covarde e infame ao Brasil e aos brasileiros

Sinceramente, jamais imaginei ser vítima de tamanhas mentira e ofensa. Fossemos um país minimamente sério e esta moça estaria em sérios apuros

Linda como poucas, talentosa como poucas, infame como nenhuma (foto: G1.com)

Olhem aqui: eu não sou, como quem me acompanha sabe muito bem, de comentar texto de ninguém. Por pior que seja a barbaridade dita, considero que opinião é como bumbum, cada um tem o seu: da forma e tamanho próprios. Desde que não me ofenda, o que diz o outro é tão legítimo como qualquer coisa que eu digo. Mas se me ofende, me sinto no direito — no dever, na verdade — de retrucar. Assim como sempre dei o mesmo direito a quem eu possa ter ofendido.

Taís Araújo é aquela gataça atriz da Globo. Espero que não me considere machista, sexista ou misógino pelo elogio e muito menos não me processe por assédio sexual ou moral. Ela é mãe de um casal de filhos. Um menino de seis e uma menina de dois anos de idade. Sabe-se lá o porquê, a moça resolveu proferir um discurso, digamos assim, completamente aloprado e furibundo a respeito deles. Ou melhor, a respeito do Brasil. Ou melhor ainda, a respeito de mim e de você, leitor amigo.

Completamente descolada da realidade e incrivelmente delirante, Taís disparou contra o país as piores barbaridades possíveis. Pintou um quadro jamais visto ou ocorrido por aqui. Como se em surto psicótico, declarou ser o Brasil equivalente, no mínimo, à África do Sul do período do Apartheid. Leiam alguns trechos, com meus comentários em seguida:

“Meu filho é um menino negro e liberdade é um direito que ele não vai poder usufruir se ele andar pelas ruas descalço, sem camisa, sujo, saindo da aula de futebol. Ele corre o risco de ser apontado como um infrator – mesmo com seis anos de idade”.

É sério que esta moça vive no brasil? Quer dizer que moleques pretos não andam livres pelas ruas do país? Dá para imaginar tamanha fantasia assim? Na cabeça dela há dois cenários apenas: ou calçadas repletas de loirinhos bem vestidos ou completamente vazias. Para piorar, diz que tem medo de o seu filho ser apontado, com seis anos de idade, um menor infrator. Sério? Pensei que este fosse o país onde a responsabilidade penal começa aos 18 anos. Onde um assassino com 17 anos, 364 dias e 20 horas de vida mata alguém e no dia seguinte é posto em liberdade e com a ficha limpa. Na boa… É muita viagem na maionese ou muita vigarice intelectual.

“Quando ele se tornar adolescente, ele não vai ter a liberdade de ir para sua escola pegar um ônibus com sua mochila, seu boné, seu capuz, seu andar adolescente, sem correr o risco de levar uma investida violenta da polícia ao ser confundido com um bandido”

Caraca!! Quer dizer que todos os garotinhos pretos do Brasil ou andam de carro ou são diariamente espancados, né? Dá para acreditar no que esta senhora disse? A polícia brasileira tornou-se a nova SS e ninguém nos avisou? E a violência policial, que não é regra, é exceção (ainda que não devesse sequer existir), só vitimiza crianças pretas? Tá bom, dona Taís! Acho que você conviveu tanto com colegas petistas que adquiriu o grotesco hábito da mentira deslavada.

“No Brasil, a cor do meu filho é a cor que faz com que as pessoas mudem de calçada, escondam suas bolsas e que blindem seus carros.” 

Pronto! Chegamos ao ápice da cretinice. Ao ápice da ofensa contra todos os brasileiros. E é só por isso que estou aqui a lhe responder. No Brasil uma ova, minha senhora! Só se for no seu Brasil, que não conheço e desejo jamais conhecer. Porque no meu Brasil, dona Taís, não existe isso, não. Jamais existiu, aliás! E conheço esta porcaria de norte a sul, de leste a oeste. Conheço 22 estados, capital e interior. Tenho mais horas de voo e quilometragem de “estrada” (entre aspas, porque são tudo, menos estradas) que muito piloto de avião ou motorista de caminhão. E com 50 anos de idade, eu garanto: nunca vi, tampouco ouvi falar de tamanha atrocidade. Desafio esta moça que encontre um único depoimento fidedigno, verídico e comprovado de um gesto assim.

E mais: brasileiros que podem contar com seguranças e carros blindados (talvez a senhora e seu marido façam parte desta turma de privilegiados) fogem da violência que é multicolor. O medo de morrer assassinado por um preto, branco, índio ou oriental é o mesmo. É tanta maluquice junta, que fica difícil conseguir equilíbrio emocional para responder adequadamente a tamanha ofensa, sem partir para um tom absurdamente inapropriado. Por isso vou parar por aqui. Vou tomar uma ducha fria para esfriar a cuca. A calva chega a fritar de tanta raiva!

Mas finalizo com um último trecho e uma última resposta:

“Eu tenho um sonho de ver ricos trabalhando para acabar com a pobreza”.

Que bom! Eu também. E num país miserável como o Brasil, eu posso me considerar rico. Pois bem. Eu realizo o seu sonho, dona Taís. Gero emprego, pago impostos, distribuo renda, cumpro perfeitamente a função social de um empresário. Agora eu te pergunto: e a senhora? Faz a sua parte? Trabalha para acabar com a pobreza? Poderia, se não for muito incômodo, dizer o que faz para isso? Gostaria muito de saber e poder parabenizá-la pelo gesto.

Ou será que ficará só no sonho mesmo, hein?

Leiam também.

Postagens relacionadas

Racismo em estado puro é isso aí Thiago Neves, jogador do Cruzeiro, publica foto com dizeres altamente ofensivos e racistas ao atacante Otero, jogador do Atlético Thiago Neves, ...
Publicidade

250 thoughts to “Um ataque covarde e infame ao Brasil e aos brasileiros”

  1. Infelizmente jovens negros são as maiores vítimas de violência e são os que mais morrem em razão desta mesma violência no Brasil.
    Não é a lela atriz quem diz. São as estatísticas.
    E, o conceito de menor infrator se refere exatamente aos menores de 18 anos.
    Melhor se atualizar.

    1. E já viu as estatísticas de quem são os assassinos destes mesmo jovens negros? Já viu as estatisticas daqui e do eua por exemplo?
      Não esqueça de cita que mais de 80 a 90% destas mortes é realizada por outro negro (não necessariamente jovem, senão cai um pouco a taxa). Pesquisa ai as últimas e confira onde é acima de 90% e onde é acima de 80%.

      Mas quer acabar com a pobreza, abra uma empresa e comece a gerar empregos!

      Quer aumentar a pobreza, se vitimize e dê mais força aos parasitas de brasília esperando que algum dia façam algo útil por alguém, exceto para sua própria gangue.

      1. Parabéns! Sou negro e não me vitimizo! Nunca fui desrespeitado por ninguém. Porque nunca agi como um coitado, vitima. Fui atrás e conquistei meu espaço!

        1. é isso meu jovem!!! eu sou branco e não fiz nada pra conquistar nada. Só tenho cabeça pra ficar vendo preto, branco, amarelo e o c. de asa… se vitimando… esse mundo virou uma merda! O Brasil está uma merda. Ninguem sabe quem manda nisso mais. E no meio de tudo as afros empinando o nariz e reclamando.

        2. Talvez você feche os olhos para não enxergar como muitos o fazem.
          Pergunte agora ao ator Bruno Cagliasso que adotou uma criança negra e diz que agora ele vê o racismo no Brasil.
          Acorda!!

    2. Marcelo, como você mesmo disse e deve ter capacidade para isso, os jovens negros são as maiores vítimas da violência, mas quem são os autores dessa violência?

      1. Com um mínimo de conhecimento percebe-se a desigualdade social neste país, fruto de uma semente que remete ao início da história brasileira. Ignorar isso é estupidez. Thaís exagera, mas tem muita verdade no que ela fala.

    3. Discurso de vitimista, só não andar como vagabundo, não vestir como vagabundo, não falar como vagabundo, não demonstrar medo da lei, que nunca terá problemas, sou preto, nunca fui abordado com violência por nenhum polícial, isto é conversa de gente que não sabe instruir seus filhos a respeitar e ver no polícial o lado do bem, temos que mudar nossa cultura em diversos pontos, inclusive neste! Aliás, quem não gosta de polícia é vagabundo!

    4. Meu caro voce precisa se informar melhor, o Brasil é o país onde mais se mata seres vivos no mundo não importando raça, genero, credo, opção sexual ou qualquer coisa que voce queira levar em consideração, esse vitimismo é uma vigarisse sem tamanho, puro mimimi de quem não tem o que fazer. O Brasil é o país que mais mata no mundo, são 60 mil assassinatos por ano, a amostragem vai obecer a distribuição da população, se voce já ouviu falar em estatistica algum dia vai entender que se há mais negros na população é claro que haverá mais assassinatos de negros, pode haver um desvio maior porque os negros estão mais envolvidos na criminalidade, isso é um fato, se são criminosos e estão envolvidos com tráfico de drogas eles morrerão mais, isso é um fato!!! O Brasil é país que mais mata mulheres no mundo, que mais mata indios, que mais mata homens brancos, que mais mata homens negros, mais mata jovens, que mata velhos, que mais mata homossexuais, que mais mata policiais, que mais mata mendigos, que mais mata professores, que mais mata advogados, que mais mata mulheres, que mais mata crianças, que mais mata animais, que mais mata árvores, etc etc etc !!! Qualquer coisa que voce analisar vai ser o país que mais mata, parece óbvio né ? E é!!! Serve para qualquer estatistica que voce quiser! O Brasil é o país que mais mata tudo, inclusive o proprio futuro!!

    5. MARCELO, VC SE ESQUECEU DE DIZER QUE QUEM MATA SÃO OS MESMOS NEGROS QUE VC DEFENDE. ANALISE AS CÂMERAS DE VÍDEOS DE SEGURANÇA, E VEJA QUEM APONTA AS ARMAS, ROUBA CELULARES, MOTOS, CARROS, BOLSAS E A VIDA.

    6. Ao autor: Você é um hipócrita, desatualizado e preconceituoso. Negros sofrem sim preconceito dessa sociedade doente em que vivemos. E o senhor é um preconceituoso ao falar de petistas, não generalize. Devido a pessoas como você o País está no limbo. Idiota.

      1. Viva, viva, viva a sociedade alternativa!!! Esta sociedade doente em que vivemos não dá mais.

        Mas olha só: o país não está no limbo, não. Está é na merda mesmo! Culpa do “Fora, Temer” que em um ano estragou tudo o que “Lula, 2018” construiu.

        Viva, Fidel!!

        1. Até as pessoas da própria raça praticam E MUITO o preconceito contra si próprias. E isso não é de agora. Vem da época da escravização no Brasil colônia, quando os negros africanos das tribos derrotadas eram vendidos aos europeus que ocuparam o Brasil e aqui aportavam nos navios negreiros. Não digo que não há mais preconceito, ainda que velado. Mas acho que existe, sim, é muito MIMIMI. Apenas quando pararmos de nos preocupar com “proteger” esse ou aquele grupo em razão de sua cor de pele, teremos um país realmente livre de preconceito e melhor para se viver. Se cada um desses “vitimados” buscassem meios de superar por si próprio as dificuldades impostas pela vida (sem a muleta de um Estado que, por motivos meramente políticos, superprotegem certas “categorias” de pessoas”), assim como figuras ilustres de nossa história já o fizeram de forma meritória, ninguém precisaria de Dia da Consciência Negra ou de gritar “Viva Zumbi dos Palmares!” (que foi nada mais nada menos que um grande vagabundo e pilantra).

    7. Desculpe ,mas ela não está totalmente equivocada ,tem suas razões pra pensar assim. A nossa polícia realmente não sabe diferenciar as pessoas em uma abordagem,e talvez pela arrogância de ser polícia, nos trata por igual com muita ignorância e truculência. Não sei o por que dessa revolta com as declarações dessa atriz.

    8. É verdade que os jovens negros e pardos formão a maior parte das vitimas de violência no Brasil, mas também é verdade que constitui a maior parte da população brasileira e que é na maior parte das vezes são vitima de outros jovens negros ou pardos. quando falamos numero soltos como” negros são as maiores vítimas de violência” pode-se entender que o branco é que produz a violência, enquanto que na realidade a maior parte da violência é cometido por um igual, se for assim o negro é o maior racista? certamente NÃO, a questão é muito mais profunda que o simples tom da pele, é uma questão social, que afeta populações de baixa renda no geral, não apenas negros e pardos.

  2. Ricardo, numa boa, você não é negro, eu não sou negro, então não cabe a você, nem a mim, opinar em nada, repito, nada, relacionado aos negros e às situações que eles enfrentam no dia a dia.
    Nunca fomos observados de forma diferente, nunca mudaram de calçada na rua a noite, por sermos brancos indo em sua direção. Agora, o contrário, acontece e muito.
    Você deve ter funcionários negros, converse com eles, escute-os, certamente eles tem muitos casos para lhe relatar.
    Temos uma funcionária que nos ajuda aqui em casa, que é negra, a Madalena.
    Sempre que meu tempo me permite, paro para conversar com ela sobre vários assuntos, e já cansei de ouvir esse tipo de afirmação partindo dela. Ela não se faz de vítima, muito pelo contrário, ela é batalhadora e sangue no olho, ela enfrenta e peita quem for preciso, nunca partiu dela reclamar comigo por livre e espontânea vontade, eu quem faço alguns questionamentos para saber como ela se sente e se por acaso já sofreu algo parecido aqui no condomínio, felizmente não. Mas já me relatou várias situações que ocorreram com ela, com o filho e com o marido.
    Um dos casos mais recentes, foi com o seu filho, que estava indo para o seu trabalho de ônibus.
    Eis que a PM entra no ônibus para uma vistoria de rotina, ônibus bem cheio, olham para todo mundo, nenhum problema aparente, até que resolvem encarar o filho de Madalena. O papo foi reto: me dá a mochila, levanta e desce rápido. Ele prontamente atendeu a ordem. O ônibus continuou parado, enquanto o jovem era revistado de todas as formas, seus pertences jogados ao chão a base de gritos: tá indo pra onde? tá vindo de onde? cadê a droga? de quem é esse telefone?
    Deram o show deles, e claro, não encontraram absolutamente nada. O menino estuda, trabalha, ajuda nas despesas de casa, não tem nenhuma passagem pela polícia.
    Se ele fosse branco, isso não teria acontecido, afinal, tinham outros jovens da mesma idade dele dentro do ônibus, mas esses, não eram negros, sendo assim, não havia a menor necessidade de serem revistados, certo? Bandido é exclusivamente negro? Não. Após todo esse teatro, ele recolheu seus pertences, que ficaram espalhados pelo chão, guardou em sua mochila e voltou para o ônibus, se sentindo extremamento humilhado, após ter passado por todo esse constrangimento aos olhos de todos os passageiros do ônibus, unica e exclusivamente por ser negro.
    Não sabemos o que é passar por isso, assim como não sabemos como os homossexuais se sentem. Nunca vão gritar pra você na rua: ô hétero filho da pu**, sua sexualidade nunca será exposta de forma pejorativa por ninguém na rua.

    1. Concordo plenamente…
      Não acho que a atriz em questão falou nenhuma barbaridade… tudo que ela disse, acontece sim.
      Infelizmente já presenciei cenas de racismo e não me mantive calada.
      Não adianta tapar o sol com a peneira, ainda vivemos em um país que a “cor da pele” tem significado para muitas pessoas.

    2. Olá Cioffi, depoimentos como o seu são I-N-D-I-S-P-E-N-S-Á-V-E-I-S por verdadeiro, atual, contundente. Quem sabe a partir dele mais pessoas possam dar passos na superação do preconceito e do cinismo dominantes em nossa sociedade. A escravidão, além de atroz, fincou raízes profundas em Pindorama que seu drama, sua dor e efeitos maléficos são sentidas a todo momento. Eu poderia aduzir exemplos também reveladores, mas o que expusestes fala muito! Viva Antonio Luis de Castro Alves. Pois, tem horas que parece que Deus se esconde e não vê tantas ofensas. Valeu.

      1. Thiago, não percebo, uma vez que não opinei sobre a questão, apenas narrei um fato que ocorreu com uma pessoa negra, a qual eu tenho contato.
        Que tal ler novamente o que eu escrevi, ao invés de passar vergonha?

        Analfabetismo funcional.

    3. Perfeito, R. CIOFFI, compactuo da mesma opinião que você.

      E concordo com a Taís. É bem provável que quando os filhos dela saírem correndo descalças pela rua a fora, o inconsciente das pessoas vai pensar: “trombadinha”.
      Isso é muito triste mas é verdade.

    4. Brilhante a sua resposta…faço delas as minhas palavras. Só não enxerga racismo no Brasil quem não quer enxergar, porque ele existe e muito.
      Eu mesmo já presenciei casos de racismos, já tive conhecidos que sofreram. Os meninos negros e principalmente pobres sofrem sim com a cor da pele. Nada mudou nesse país em relação ao racismo, pelo contrário só piora. Quando eu era criança eu ouvia ” um branco correndo esta fazendo corrida, um preto correndo é ladrão”, hoje já tenho mais de 40 e nada mudou.

      Lamentável suas colocações, como jornalista e a idade que tem, deveria se informar melhor e lê mais sobre o assunto já que ao seu redor você não consegue perceber isso.

      1. Existe preconceito contra vários tipos de pessoas (gordos, pretos, feios, branco do cabelo crespo, albino, etc.). O mais importante é não se vitimizar, pois piora a situação. Essa moça aí vive em um mundinho paralelo do Projac. Esse preconceito que vc aí fala que tem demais e que é um absurdo, existe contra qualquer um, desde que seja pobre, entendeu. Os filhos dela nunca vão sentir isso. Pelo contrário ela quer transformar eles em coitadinhos, cheios de “não me toques” pra tentar usufruir de alguma vantagem, como por exemplo cotas raciais. Muito gata e talentosa, mas, infelizmente, mais uma vítima da ideologia marxista de coitadismo mimimi.

        1. amigão Realista: tem certeza que está falando de Brasil mesmo, meu caro? Já andou de ônibus, já conheceu ou conviveu com algum negro e pobre em sua vida? Se as respostas forem sim, e ainda assim acredita que por aqui não existe preconceito racial, então trate de se engajar em algum projeto social porque suas idéias anti-preconceito serão muito valiosas para a redução de nossas desigualdades. Que tal? Vamos fazer nossa parte?

          1. Caraca!!! Outro? Acho que é o quarto ou quinto comentário. Se já andei de ônibus? Claro, pô. Mas na época em que havia catraca, cobrador, aqueles valezinhos amarelos que a gente destacava da cartela e a porta de entrada era a traseira, que dava para agente fugir sem pagar quando torrava toda a grana no fliperama.

            Que mais??? Há! Se convivi ou conheci algum preto e pobre. Huuuuuuummmmm… Que eu me lembre… Huuuuuuummmmm… Serve da família da minha esposa?

            Adiante: se eu acredito que não existe preconceito racial? Ué, se eu escrevi isso tô ficando igual à Taís Araújo: doidinho da Silva! Mas se eu não escrevi, e a culpa pelo engano é daquele costumeiramente conhecido como analfabeto funcional, que lê mas não compreende, daí eu espero que o analfa reconheça e diga: é verdade! Jamais escreveu isso mesmo. Ó céus, como sou burro!!

    5. Eu, apesar de não ser negro, já senti bem de perto o preconceito que sofrem.

      Já fui parado diversas vezes em blitzes e operações policiais e sempre tratado com muito respeito e educação. Exceto em duas vezes, justamente quando dava carona para um colega de trabalho que era negro. Essas duas abordagens foram truculentas e sem critérios.

      Coincidência???

      Sabemos que não,

    6. Parabéns pelo texto CIOFFI, porque o texto do blogueiro Ricardo é digno de pena. É um texto de uma pessoa que não é negra, não conhece negro, não tem parentes negros, não tem a mínima noção da realidade. Digno de pena por não saber o que diz!!!!

    7. Parabens R.CIOFFI! Concordo plenamente , nosso “amigo” Ricardo que acredito estar vivendo em outro país! Existem estatísticas , noticias com relatos de preconceitos vividos por negros passando pela mesma situação que a Thais discursou. Isso acontece sim ! O TEMPO TODO !

      1. Você poderia, por favor, Nayara, me enviar as estatísticas que corroboram com a narrativa da Taís? Pode ser de qualquer fonte, ok? Não precisa ser oficial, não. Gostaria de saber onde as crianças pretas estão sendo admoestadas nos ônibus de forma a impedir que o filho dela use um. O mesmo vale sobre correr descalço e sem camisa na calçada, após o jogo de futebol. Sobre o lugar onde as pessoas atravessam as ruas para não cruzar com um preto, eu imploro que me diga onde fica, pois jamais quero chegar perto. Por favor, ok? Me mande as estatísticas e os relatos. Imagino que existam milhões deles nas páginas da internet.

        1. simples: o Senhor não anda de ônibus e nem a pé, meu caro. Precisa de estatísticas para acreditar no que ocorre no mundo real, TODOS OS DIAS…

    8. Excepcional comentário, amigo R.Cioffi. Esse (*@*@) desse tal de Kertzman (que nunca deve ter convivido com um pobre na vida, a não ser como patrão de algum) acha que é o suprassumo da intelectualidade dos “cidadãos de bem”. Abomina qualquer política de cunho social. Com um post ridículo desses tenta afirmar que “conhece o Brasil”, porque, dentre outras coisas tem horas de “vôo” (por aí já se viu em que mundo vive) e que aqui não existe preconceito contra negros. ORA, SR. KERTZMAN, JÁ VI POSTS DESGRAÇADAMENTE PRECONCEITUOSOS SEUS, MAS ESSE PASSOU DOS LIMITES, MEU IRMÃO!! EM QUE PAÍS VOCÊ “ACHA” QUE VIVE, MEU CARO?? E além de tudo, passou um atestado de desconhecimento legal, sequer sabe o conceito de menor infrator. Enfim, para não me alongar, deixo aqui meu repúdio e minha indignação contra mais esse furor anti-social explícito do Sr. Kertzman. (obs: não sou negro, gay ou pobre, mas não me permito calar ante a tais idéias, em nome de “cidadãos de bem”, que nada mais são que uma elite que não admite perder seus privilégios históricos, a exemplo do próprio Sr. Kertzman, que deve ter conseguido tudo na vida graças à grana do papai, sem precisar passar pelos constrangimentos que grande parte dos cidadãos negros passam SIM todos os dias). O mais triste é que os princípios do Sr. Kertzman e dos “cidadãos de bem” que defende vêm se propagando cada vez mais em nosso país, que ainda agoniza em suas desigualdades.

    9. Parabens R. CIOFFI pelo texto, somente as pessoas negras podem falar dos preconceitos que já viveram, é muito fácil o autor deste blog do alto da sua arrogância vomitar nas nossas caras ódio que sente pela atriz só porque ela falou de uma realidade que este autor nunca passou. São pessoas como ELA que tem expressão na sociedade que devem levantar estas questões.

    10. Adorei o texto! Penso como você! E a acredito sim que o preconceito existe. Pelo texto desse cara, ele praticamente afirma que o preconceito não existe. Aff! Em que mundo ele vive?

    11. Foi um relato que falou tudo, parabéns. Se houvesse mais pessoas com uma opinião tão inteligente igual a sua com certeza teríamos pessoas menos idiota como esse cara .

    12. Cioffi,
      Parabéns pela coragem de contrapor a teorias de gente desqualificada que ganha palanque de maneira obscura.
      Parabéns por ter paciência e dar audiência para este tipo de “polêmica”.
      Cuidado com a escória que se aproveita disso para ganhar 5 segundo de fama em rede social.

    13. Já que não cabe a você opinar em nada, repito, nada, relacionado aos negros e às situações que eles enfrentam no dia a dia, O RESTO QUE VOCÊ ESCREVEU FOI OPINANDO.

      APROVEITA E VEJA LÁ EM BAIXO QUE EU TE DEI UMA AULA DE AUTO CRÍTICA.
      DEPOIS DA AULA, PARE DE FAZER QUESTIONAMENTOS E INTROMETER NA VIDA DA FUNCIONÁRIA, NA MINHA E NA DOS OUTROS.
      pocotó!

    14. Aconteceu o mesmo comigo n bairro Alipio d mello n começo ds anos 2000,enquanto eu era revistado,um grupo de jovens brancos, conversam tranquilamente.OS policiais me perguntaram o que eu estava no Bairro?Jogaram meus cadernos n chão.Meu irmao morava lá,como não o encontrei em casa, era de noite, decidir ir embora,n época morava no Bairro Palmeiras.Quando os questionei o porq ds jovens brancos n serem revistados? Eles disseram,cala a boca, se nao colocamos vc dentro d viatura e te arrebentamos.Nunca mais quis voltar a noite n casa do irmão.Chorei d odio, n sei por ser mulato, ou viver no Brasil, naquela noite!!Tenho testemunhas do meu relato.

    15. Muito obrigada pelo seu texto. Muito obrigada pela sua empatia. Muito obrigada por buscar entender o outro lado da história. Só quem passa pelas situações relatadas pela atriz ou identificadas por vc é que sabe o que é passar por tais situações. E isso não é vitimismo; é o outro lado da história.

  3. Da pra perceber claramente que esse tema desperta raiva no bloqueteiro, dados os inumeros posts q ele retruca alguem q denuncia o obvio: o racismo no brasil e estrutural, so nao o percebe racistas iguai a vc ! Fica ai a se defender ou defender outros racistas como o waack, se fazendo ainda de vitimas , os brancos ricos ameacados pelas minorias: gays, trans, negris, indios , etc.. se liga, cara pal¡da, aqule tempo q vc admira , quando era comum ofender pessoas por qualquer conotacao acabou, vc nao percebe? Quer salvo conduto pra contibuar ofemdendo indiscriminadamente!

    1. Boa tarde Eduarso,não entendi dessa forma a opinião do Ricardo. Acho que ele quis colocar exatamente o contrário. Obviamente é contra qualquer espécie de racismo e o que ele quis colocar foi a opinião, da qual concordo, que a generalização empregada pela Thais não reflete o que de fato ocorre. Um caso ou outro de “mudarem de calçada se virem um menino negro” pode até ocorrer,mas daí a se tornar uma regra como ela quis fazer parecer é surreal. Quanto ao sonho dos ricos trabalharem para os pobres acho legal e ela poderia dar o exemplo,talvez fosse bom se juntar ao Caetano que foi lá apoiar os sem teto que invadiram propriedade alheia,mas não levou ninguém pra morar com ele né mesmo ???

  4. Me desculpe o portal UAI, mas dá voz a uma pessoa como esta em um jornal tão conceituado, é frustante e desanimador.
    O autor chama o Brasil de porcaria e desqualifica as falas de uma atriz negra, sendo ele um branco que nunca viveu tais situações.
    Imagino que o Brasil que ele viva seja completamente diferente do meu e ver este espaço neste portal é revoltante.

    1. Sinceramente, fiquei decepcionado com o Portal UAI por dar voz a uma pessoa como esta. Um branco desqualificando um desabafo de uma negra sobre a situação dos negros (dela e da família, inclusive)….

  5. Aos que adoram discutir “cor”:
    Dizem que 70% dos cerca de 60.000 assassinados no Brasil anualmente são negros.
    Mas 70% da população é negra.
    Pergunto:
    Qual a “cor” dos assassinos?

  6. Hoje estava almoçando e como nada me prendia, acionei o controle remoto da TV. Sintonizei o programa da tia Fátima e eis que vejo ela dizer que a desigualdade social é grande e deve ser combatida. Pensei comigo: queria uma oportunidade de fazer-lhe um questionamento ao vivo no programa dela. Que tal se ela respondesse o que tem feito para diminuir a desigualdade? O problema é que essas senhoras falam pelos cotovelos e se tornam vítimas dos próprios pensamentos para parecerem politicamente corretas. Duvido que o filho dessa atriz ande a pé na calçada. Duvido que ele ande sujo pelas ruas da cidade. Duvido que se isso acontecer será tratado como um menino favelado.

  7. muito mi mi mi desta senhora que está sempre querendo aparecer..faça alguma coisa objetiva pela evolução da humanidade aqui no Brasil!!
    Ela trabalha p/ um grupo televisivo que agride as famílias, ensina merda na tv o dia inteiro, valoriza o supérfluo e juntos tentam impor comportamentos e valores aos telespectadores!! Nunca vi esses fdp da tv (brancos e pretos) em defesa de professores , por exemplo, nem em defesa da moralidade no trato com a coisa pública, aliás, neste particular todos esses mamadores da lei Ruanet são sempre ávidos por mais um dinheirinho fácil e o conseguem com a ajuda de seus associados politiqueiros e o povão que se dane com a bariga vazia !
    vivem falando suas opiniões como se fossem as verdades absolutas, ou pior como se fossemos obrigados a ouvir estas merdas ..manda esta senhora hipócrita e oportunista p/ uma escola e depois arrumar um trabalho fora do circulo de ” celebridades” p/ ela ver o que é ser brasileiro de verdade!

  8. Puts, não sei os motivos que darem tanta importância aos ‘artistas’ da globo. eu nem sabia quem era até ler a matéria pois não vejo novelas, programas de auditório…nada.
    Vejo desenhos e filmes. globo já era ha muito tempo, raramente assisto jornal.
    pergunto novamente:
    vocês prestam atenção nesta ‘praga’? Em o que fazem e falam ‘artistas’ da globo? pra que?
    Que acréscimo cultural há? (nem li a matéria toda)

    ps: ela penteia o cabelo com ‘traque’?

    1. Qual o problema com o cabela dela? Não estou entendendo.
      O cabelo dela te incomoda? Então sugiro que você resolva o SEU problema.
      O cabelo dela, é problema só dela, se te incomoda, procure um tratamento urgentemente.
      Até hoje não vi sequer um comentário útil, construtivo ou informativo, de sua autoria por aqui.
      Na realidade, só te vejo lambendo bagos, cada hora de um, as vezes do autor, outras vezes de alguns comentaristas.
      Ficou velho e bobo?
      Por isso tomou cano no show Paul McCartney, não passa de um bobo.

      1. Pra ser útil, construtivo e informativo, vou te ensinar a fazer auto crítica:
        Se o cabelo dela é problema dela e me incomoda é problema meu e não seu, então não faça como eu, não sugira que eu faça tratamento pois você está discordando com meu modo de pensar assim como eu supostamente, aos seus olhos, vejo problemas no cabelo dela!
        Se eu não posso dizer o que SUPOSTAMENTE não gosto, você TAMBÉM não pode dizer pra mim o que não gosta.
        ENTENDEU SEU BURRO, ISTO É AUTO CRÍTICA, olhe pra você mesmo primeiro e eu posso gostar ou não gostar do cabelo dela pois como você mesmo escreveu, isto é problema MEU e não SEU.
        TODO pocotó metido a sábio é burro!
        leia novamente:
        TODO pocotó metido a sábio é burro!

        ps: a empresa de cartão de crédito me devolveu o dinheiro pois sou honesto e não petista.
        Se quiser POSTO a mensagem por email enviado pela empresa e o BOLETO gerando CRÉDITO de R$1578,04 no meu cartão de crédito.
        ESTA É A DIFERENÇA DOS HONESTOS E PETISTAS, o honesto PROVA QUE É HONESTO!
        Pô hein, você presta muita atenção no que escrevo, relatei o ocorrido sobre o show a mais de 1 mês.
        ps: Não gosto que ‘homes’ (cof, cof) me persigam e fiquem prestando atenção em mim.
        CAI FORA e FAÇA AUTO CRÍTICA!

  9. A negritude nunca foi nem é a causa de tanta discussão. O racismo existe de ambas as partes. Tem negro que só casa com mulher branca e loira de preferência porque não enxerga nos seus iguais as mesmas qualidades. Tem mulher negra que só se casa com homem branco, também. Então, já presenciei muitos negros difamando o outro como se ele próprio fosse branco, o que não tem nada a ver. Estas situações cotidianas têm que ser entendidas e compreendidas dentro de um intervalo de tolerância e de fraternidade. Nunca negro ou branco se sentindo pouco ou mais que o outro. As diferenças existem de ambos os lados. A mesma situação encontramos com os orientais e ocidentais. Com índios e outras raças. Nada nem ninguém é perfeito.
    Se fazer de vitima não é a melhor forma de combater a desigualdade porque daí surgem a premonição, a desconfiança e a intolerância. Mais respeito é o que se pede. Educação também porque culturalmente precisamos melhorar muito.

  10. O ator Diogo Cintra foi espancado próximo ao Terminal de Ônibus Parque Dom Pedro 2º, no centro de São Paulo, nesta quarta (15), após sofrer tentativa de assalto e pedir ajuda aos seguranças do local. Em nota, a SPTrans afirma que … – Veja mais em

    1. Somente o texto? O cara é um infeliz patrocinado pelos adestradores dele. Ainda bem que o concorrente dos Diários Associados não vai demorar a jogar uma pá de cal nesta escória que ainda tenta chamar isto de jornalismo opinativo.

      1. Infeliz, não!! Hoje, então, depois de um dia destes junto dos amigos capitalistas opressores, enchendo a cara de bebida e comida de primeiríssima, ouvindo as melhores músicas e indo dormir agora… tô mais feliz que pinto no lixo, hehe!!!

  11. Olá pessoal.
    Sou negro e creio que nem tanto ao mar… nem tanto a terra. Quando li o discurso da Taís também achei exagero, acredito que ela queria mesmo chamar a atenção para o assunto e errou na mão.

    Muito consciente o comentário do R. CIOFFI, onde aborda o fato de somente os negros saberem o que se passa, em todo lugar. Acrescento que, por exemplo, judeus também são discriminados, porém a maioria não carrega a condição de judeu aos olhos das pessoas, ao contrário do negro, amarelo, verde, travestis, etc.

    Apesar de ser negro nunca fui parado por polícia, nunca me senti no sul dos EUA em 1950, porém inúmeras vezes fui discriminado por olhares, isso é difícil de explicar para quem nunca passou por situação assim.

    Resumindo, acredito que houve exagero nas duas partes: a atriz ficou meio deslocada no discurso chamativo e o blogueiro exagerou ao criticar uma realidade que nunca viveu.

    1. Parabéns pelos comentários Eduardo, muito bem colocados por sinal. As pessoas costumam se esquecer das sequelas deixadas pela história escravagista do Brasil, o último país a abolir a escravidão, e a falta de políticas públicas de inclusão desde aquela época. Somos uma maioria de negros, é claro que teremos uma maioria de vítimas e de autores negros. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.

  12. Ricardo Kertzman, tanto ela quanto vc estão sendo extremistas, ela por achar que acontece o tempo e vc por achar que não acontece em nenhum momento….acordem!

  13. Você é que é completamente descolado da realidade e incrivelmente delirante, senhor. Vive em permanente surto psicótico, haja vista o conteúdo de seus textos. Desce um pouquinho do seu pedestal e vem ver como as coisas realmente funcionam.

  14. A meu ver, estatísticas alimentam estatísticas. A polícia persegue mais os negros, porque os negros cometem mais crimes que os brancos. Mas, os negros cometem mais crimes, porque tem menos oportunidades de sobrevivência. Dê mais oportunidades aos negros e, em contrapartida, tire oportunidades dos brancos e essa estatística irá inverter. Como a Taís Araújo é uma esquerdista irritante, não consigo nem concentrar para ver beleza nela, também não consigo dar credibilidade a nenhuma fala dela. Mas, é preciso concordar que o Brasil está muito longe de ser um país sem preconceitos com negros. Eu não sou preconceituoso, muitos não o são, a maioria não é. Mas, os poucos que são, são preconceituosos com muita intensidade e crueldade. Creio que esse seja o motivo da raiva dela e de muitos negros. Precisa resolver isso, para que todos tenham paz.

  15. Brancos não fazem a menor ideia do que é preconceito contra Negros. Homens, não fazem a menor ideia do que é preconceito contra mulheres. Héteros não fazem a menor ideia do que é preconceito contra Gays. Cristãos não fazem a menor ideia do que é preconceito religioso. Então, não fale do que não entende, do que não conhece, do que sequer faz uma mínima ideia que existe.

  16. Quanta vitimização, meu Deus!! Negro rico no Brasil não sofre discriminação, todos sabem disso! Eu já fui vítima de discriminação por ser branca e pobre, e nunca me fiz de vítima..essa coisa de separar o país em brancos de um lado e negros do outro pretende fazer todos esquecerem de quem oprime a ambos: a classe política corrupta….excelente texto, fruto das viagens dos globais querendo sectarizar o Brasil! TODOS PODEM OPINAR, todos são brasileiros…nos EUA, tem TV de negro, mas não pode fazer TV de branco…tem passeata de negro, mas não pode fazer passeata de branco…aqui, está virando a mesma coisa….tem alguém muito interessado nessa separação…adivinha quem???

  17. Meu caro, vc é negro? Já viveu uma infância e uma adolescência no Brasil sendo preto? se sua resposta não for afirmativa pára de chilique e respeite a opinião de quem é e vive em um país preconceituoso como o nosso. Não vi absurdo nenhum na fala dela, só a realidade. Baixa a sua bola e não dê pitacos em experiências que vc não viveu. Vc mora em qual país?

      1. UAI, achei que fosse islandês ou austríaco… quando não se tem argumentos, toca com o humor pra ver se cola… mas suas piadinhas são bem fraquinhas, Sr. Kertzman, acho que até o velho Adolf tinha coisa mais engraçada em “Mein kampf” não tinha?
        Acho melhor, ao invés de piadas sem graça, o sr. parar de falar asneiras, acho até que os responsáveis pelo site Uai devem alguma explicação sobre como aceitam um blog preconceituoso como esse em seus quadros. (ah, me esqueci, como bom burguês caucasiano sua lista de contatos influentes também é extensa, então… é nosso velho “Diários Associados” e seus leitores “de bem”)

        1. Aí vem um bosta desses, invoca Hitler para tentar me atingir (desculpe, Zé Mané, mas meu ponto fraco é outro) e como todo bom rola-bosta de esquerda quer que o terceiro maior grupo de mídia do país lhe dê explicação por hospedar meu blog.

          Você, MA, é do tipo que eu gostaria de conhecer (pessoalmente) sabe? Dá pra perceber que é letrado, o que é diferente de culto. Dá pra perceber que é educado, o que é diferente de agradável. E dá pra perceber que não é do tipo valentão, que sai ameaçando bater, matar, trucidar. Porque aí, como eu disse, pessoalmente, iria ser maravilhoso te colocar no devido lugar. Até pagaria o almoço, hehe. Coisa difícil para um judeu!!

          Ah, Kertzman, apesar da aparência alemã, é ucraniano. Mas já que você gosta de um austríaco, também poderia te ajudar. Meu segundo sobrenome é Misionschnik. Este, sim, chucrute raiz!

          P.S: Se o seu sobrenome de fato for Oliveira, não se divirta muito com Mein Kampf, não, viu? Salvo se tiver a mesma consideração com seu passado que tem por seu presente.

          1. Bom, não merecia resposta, mas vá lá.

            1. Não te ofendi a ponto de ser chamado de B… (pode ver em um post acima que te chamei de @*@*, o máximo que consigo, pois minha boca não é latrina, como a sua).

            2. o terceiro maior grupo de mídia do país deve explicação SIM, não a mim, mas a TODOS os leitores, razão maior da sua existência.

            3. Em relação a citar a obra de Hitler, que jamais li e nem quero ler, se é que vc não entendeu (o que não acredito, pois inteligente vc é), foi uma forma, digamos, “sutil” de tentar não te chamar de fascista ou nazista, como outros já fizeram.

            4. Quanto a me conhecer pessoalmente, quem sabe um dia? Afinal, o mundo dá voltas. Elogios à parte, não necessito de seus conceitos para definir ou não minha cultura, como também faria questão de dividir a conta do almoço.

            5. Quanto a me colocar “no devido lugar”, prefiro não falar muito sobre isso, minha modéstia não me permite.
            Por fim, apenas para fechar, compactuo do pensamento de Voltaire, pois discordo totalmente com suas idéias e suas palavras, mas (ao contrário de vc) defenderei até a morte o seu direito de dizê-las.

  18. Venho aqui,leio o que o dono da coluna e os leitores escrevem com qualidade.Hoje resolvi tomar a liberdade de participar, tentando ao máximo, deixar de lado minha opinião ideológica.Ricardo K.Ela esta avisando, “racistas” n mexam com meus filhos,se mexerem, irei agir com todo rigor de uma mãe protetora e corporativista.Acredito que poucas pessoas com honestidade intelectual , ainda tem duvidas, que um jovem negro e visado ns ruas d cidades?.Ou sera que o que vivi e vivenciei eram sonhos e delírios ?Primeiro que a maioria dos negros moram n bairros onde a repressão deve ser diferente, dos métodos na zona sul(palavras que n sao minhas) Se um jovem negro vive na zona sul,sera alvo também da desconfiança, sabemos que no Brasil, ainda n e comum vermos negros nos bairros melhores.Falo com consciência e vivencia de cor, não de classes ou ideológica.

  19. Ricardo,
    Racismo/preconceito no Brasil existem até hoje e, provavelmente continuarão a existir. Eu entendi bem o que a atriz quis dizer. Polícia já me olhou diferente várias e várias vezes, e nem sou negro, sou o que chamam de mestiço (minha certidão de nascimento me declara como branco), mas tenho traços de pessoas negras. Já vi preconceito correndo solto por aí contra pessoas conhecidas como de cor, vindo da polícia ou de civis. A poucas semanas atrás uma professora negra de nível superior foi abordada no centro de BH por uma senhora que a perguntou “se ela fazia faxina”. Porque será hein? Vejam as estatísticas da última e recente pesquisa do IBGE.
    Abraços.

  20. Definitivamente, o texto mais vergonhoso que já li desse colunista.

    Você tentar ser ridículo como o Diogo Mainardi, mas consegue ser mais patético ainda, realmente parece que você vive em uma bolha e é alimentado pela mamãe na boca até hoje.

  21. Você é realmente mal intencionado, desprovido de escrúpulos …fala muita bobagem e acha que tá agradando, com certeza formado em alguma faculdade PP.dikhi se papai.

  22. Esse Ricardo é igual parede só leva tinta,todos os dias leva porrada nessa pagina mas não aprende,ia mandar voçe aposentar mas lembrei que seu presidente ilegitimo só deixa aposentar com140 anos

      1. Uau Ricardo, pelo menos você sabe escrever “você”!!!!!

        Novamente com seus super argumentos, sua habilidade argumentativa de fato é tão evoluída quanto a de uma parede.

  23. é realmente um absurdo comparar a Africa do Sul do apartheid com o Brasil de hoje…por exemplo; lá durante a segregação já havia mais negros na universidade que no Brasil em qualquer época…então isso é mesmo uma tremenda injustiça…com o apartheid.

  24. É sério que Kertzman vive no Brasil, para achar um absurdo uma declaração tão verdadeira como essa da Taís Araújo???

    Crianças negras andam com suposta liberdade em suas periferias, mesmo assim, sujeitas a truculência policial e qualquer tipo de violência do meio em que estão.

    Mas vamos cotextualizar o caso da Taís. Deve viver no Leblon ou barirro similar. Será mesmo que numa hipótese como ela exemplificou, do filho voltar do futebool, descalço, sem camisa, suado e com tênis na mão, caminhará sem problemas pela zona sul carioca, sem no mínimo receber olhares precoceituosos e ver madames trocando de calçada???
    Transfira a cena para Lourdes, Belvedere. Em que país o desinformado colunista vive que acha que essa criança negra camihará com a mesma liberdade de uma crinça branca???

  25. O que o PT tem a ver com tudo isso que ela falou ou o que você comentou. Sempre cita o PT em tudo que acontece nesse país. Já esta ficando chato.

  26. Realmente, esse vitimismo esta passando dos limites da realidade.
    Nunca vi, ou ouvi, de nenhum amigo preto, que o filho/filha, tenha sido vitima de preconceito. E olha que nao sao poucos amigos pretos que eu tenho.
    A onda de vitimismo, mimimi de petista doente, mais doente ainda por se ver orfao da Lei Rouanet, esta aloprando a cabeca desses “artistas”. Eles estao a um fio da loucura.
    Opinioes imbecis, como a da Thais Araujo, nao deveriam nem ser publicadas, haja visto ela emporcalhar a carreira com tais opinioes.
    O Brasil que eu morava nunca foi o que ela mora. Nem o seu Brasil, pelo que pude ver. O Brasil da Thais eh um Brasil preconceituoso, cheio de brancos e ricos criminosos. Pois ser branco e rico eh o maior crime aos olhos dessa mulher, que fala improperios como se fosse uma metralhadora descontrolada.
    Isso, a meu ver, caro Kertzman, eh a maior propagacao de racismo que eu ja vi publicada em uma midia brasileira.
    Farei como voce, vou ali tomar uma ducha fria para esfriar meu corpo branco, que esta vermelho de raiva.
    Cordiais saudacoes, Paula

  27. Essa senhora necessita, urgentemente,de ajuda psiquiátrica.Essa sua postura acabará fazendo mal a seus filhos e aos filhos dos outros,que nada tem a ver com os delírios de alguém com visão tão destorcida da realidade. Será que os outros seus colegas pretos tem opiniões tão radicais da vida aqui no Brasil ? De toda forma a Mamãe África é ali,do outro lado do Atlântico e nada impede que ela vá se sentir feliz no berço de seus antepassados.Esse Afro vitimismo já está enchendo o saco.Ou será que ela faz isso só para aparecer ? Pois Senhora,fique sabendo que não precisa disso. Você é muito bonita e talentosa para ter que usar tais recursos.Vá em frente com sua arte que,garanto,você conquistará o respeito de todos : brancos,pretos,vermelhos,sem cor definida,etc.

  28. Puro delírio! O Brasil é dividido entre pobres e não pobres (não necessariamente ricos); pagadores de impostos e impostores (notadamente a classe política); senhores modernos e escravos atuais (“Ministros” e a população esquecida. Também, pagadora de impostos).
    No meio, alguns otários e aproveitadores que dizem, às vezes por conveniência, que “esquerda” e “direita” são diferentes!
    Político é tudo a mesma coisa (fedida)!
    Cada vez mais os ladrões da pátria são encorajados a fazer o que querem: Soltam quem querem, não prendem quem devia, e votam contra o interesse público (se necessário em voto secreto) e a favor dos “seus”.
    FORA TODOS!
    Pelo mesmo motivo, fraldas e políticos têm que ser trocados regularmente!

  29. Brasileiros de bem? Termo usualmente usado para classificar racistas, homofóbicos, fascistas, estupradores, corruptos e gente de caráter degradante, é isso que temos visto a respeito das ditas pessoas de bem, quero passar bem longe das “pessoas de bem”, que Deus nos conduza por caminhos melhores.

  30. Realmente o Brasil em que você vive deve ser diferente mesmo do dela. Você não deve andar de ônibus e não vai a periferia de onde mora para se atualizar da realidade. Não sou negro, mas sou de família que é descendente de negros, porém sai mais a família de meu pai. Lembro de um momento de minha vida que eu meus amigos voltávamos para casa após um show na Gameleira e por não ter mais ônibus transitando viemos caminhando pela avenida Amazonas e fomos abordados por uma viatura da PM e fomos “convidados” para não dizer outra coisa a nos identificarmos. Éramos seis pessoas, sendo 5 considerados brancos e 1 negro. Após a revista fomos liberados os 5 e o nosso amigo foi humilhado, questionado várias vezes onde havia escondido as drogas e porque ele estava distribuindo drogas para nós. Ficamos indignados e questionamos os policiais sobre o tratamento e fomos hostilizados pois senão seriamos levados juntos com ele para a delegacia. Ele nunca teve passagem pela polícia e era trabalhador e estudante como qualquer um de nós. Após mais de 30 minutos eles liberaram ele e fomos embora. Acho que deveríamos pensar que todos somos iguais e não é cor que forma caráter das pessoas e sim a educação que nos é passada pelos nossos pais e familiares. Você pelo que se vê deve ser um destes milhares de falsos moralistas que se julga justo, bom e caridoso porque tem uma empresa e emprega pessoas. Você sabe se a família dela tem algum empreendimento que faz o mesmo que sua empresa faz? Acho que o Brasil só vai mudar se este monte de falsos moralistas de blog e outros tirarem o traseiro das cadeiras e realmente lutar por melhorias para as pessoas. Pois quem tem informação e é capaz de gerar opinião, não deveria se esconder atrás de uma tela e dar a cara para bater.

    1. Bem, comecemos pelo fim!

      Se eu assino um blog e mostro meu rosto, não vejo como me esconder. Mas e você? São seu nome e e-mail verdadeiros? Acabei de lhe enviar um número de quatro dígitos. Se me responder é porque recebeu e seu e-mail é real. Se não, quem é mesmo que se esconde?

      Não sei o que ela e a família fazem. Por isso não afirmei e, sim perguntei. Por isso lhe disse que daria os parabéns. Você leu, não leu ou leu e não entendeu?

      Sobre o triste evento que narrou, e ao contrário do que você me acusa, não tenho a menor razão para duvidar do seu caráter e não acreditar na sua história. Agora eu lhe pergunto? Quantas vezes mais isso aconteceu? Quantos casos iguais acontecem todos os dias? Um, dois, dez, cem, duzentos? Pois se o Brasil é como a moça que você defende diz, deveria acontecer a todo instante, sem parar.

      Sobre andar de ônibus, tem razão. Há anos não ando de ônibus. Mas também não ando de Jet Ski. Isso me impede de achar o veículo perigoso? Para eu te enumerar ao menos 20 crateras lunares, com nome, medidas, posição, etc., coisa que eu conheço bem, pois adoro, eu preciso ser astronauta e ter ido à lua?

      Sobre periferia, por fim, é pena eu não poder te enviar uma foto agora, de onde estou, em São Paulo. Te faria engolir ainda mais as pobres palavras, se é que ainda lhe sobrou alguma na boca.

  31. O seu discurso é que é aloprado e fora da realidade. Deve viver em um condomínio fechado totalmente a par da situação nas ruas do Brasil. E a Thaís apoia e trabalha em inúmeros projetos sociais em defesa dos direito das mulheres e negros, se informe meu caro.

  32. Eu sou NEGRO e fico indignado com esse tipo de comportamento por parte de pessoas negras. O racista negro, notadamente DE ESQUERDA, não existe por acaso, ele só existe porque sabe lucrar com isso, politica e financeiramente. VOCÊ NÃO ME REPRESENTA. E outra: eu adoro abóbora.

  33. Primeiro não somos pretos, somos negros. E com muito orgulho.
    Segundo somente quem viveu essa realidade sabe como é doloroso.
    Se vc vive no Brasil das maravilhas parabéns para vc (senhor rico).

  34. Ricardo, estou impressionado com a “raiva maluca”, “raiva ignorante”,
    daqueles que estão discordando de seu comentário…
    São para estes IDIOTAS que, esta atriz MEDÍOCRE chamada Taís escreve seus textos racistas!
    Sim, os textos dela é que são RACISTAS. porque ela sempre está designando cores,
    dentro das besteiras que escreve!…
    Os comentários da Taís são para os estúpidos atrasados que, AINDA vivem na (senzala)
    pseudo-intelectual da “esquerdalha” brasileira!
    Parabéns por sua réplica, a esta medíocre Taís Araújo!

    1. Obrigado, mas por que o espanto? Os raivosos (haters) fazem parte da mesma turma, da mesma linha de pensamento. São incapazes de discordar apresentando argumentos verdadeiros ou fatos reais. Ou usam frases feitas, mantras extraídos dos blogs de esquerda, ou apenas xingam de lixo, doente, babaca e sei lá mais o quê. São pobres coitados usados, como você bem disse, como manada para gente como Taís fazer proselitismo.

      Lino, faça como eu: divirta-se com eles!

      Abrs

  35. Caro Ricardo, concordo em partes em seu texto, mas você não pode ignorar ou desprezar o que nunca sentiu! Nosso país é racista sim, até hoje. Sinceramente eu defenderia até que no currículo escolar nem citasse a questão da escravidão, não para crianças. Eu como pardo lembro-me bem quando aprendi sobre esta matéria na escola, me senti muito mal, discriminado, isto com apenas 9 anos de idade. Vá com calma, ouve sim exageros por parte da Thaís, mas se não fosse o talento dela e do marido, ah coitados, no Brasil é complicado alçar voos mais altos sendo negro. E não é mimimi, são fatos cotidianos que descortinam claramente o preconceito. Os assassinos são multicores, os viciados também, já os chefes de quadrilhas, ah estes, em sua maioria não são negros.

    1. Pois é!!! E aí? Os bandidos brancos, aqueles lá de Brasília, matam infinitamente mais gente que quaisquer outros bandidos. Agora me diga: eles matam só os pretos?

  36. Tenho que concordar. Ele exagerou em mil vezes a fala da Taís e o cenário em que negros vivem para se justificar em seu alarde. Me pareceu que a ele que apenas atos e fatos totalmente agressivos, verbal ou comportamentalmente, seriam o bastante para configurar racismo.

    Taís nitidamente não abordou sobre perseguições nazistas ou típicas do apartheid, mas sobre riscos razoáveis, provenientes de uma realidade perfeitamente observável. Há de fato uma suspeita, uma vigilância aumentada sobre negros e seu comportamento. Já ouvi de amigos que eles evitam correr na rua e vestir casacos com capuz. Até em blitz eles são os que mais sofreram vistorias em número e rigidez.

    Quanto a idade de uma pessoa, ainda que criança nada impede que ela passe por procedimentos legais de investigação, o que gera constrangimento por si próprio. Uma criança negra, mal-vestida, sim, está mais sujeita a ser suspeita de um crime que supostamente cometeu ou ajudou a cometer, ainda que este não seja punível.

    Quanto ao medo da violência ser ‘Multicolor’, eu concordo com o autor. Só que o medo não é indiscriminado, ele é seletivo. Não vejo alguém na rua ter medo de mulheres idosas, de homens engravatados, de deficientes na cadeira de rodas, de trabalhadores públicos uniformizados.

    Quando vejo pessoas terem receio de brancos, asiáticos, índios, seria o momento que em seu corpo eles expressam uma quantidade muito maior de elementos que possam indicá-lo como possível ameaça: tatuagens, vestimenta, adornos, jeito de caminhar, olhar, etc. Já negros, na maioria jovens e homens, estes eu percebo que há um receio quando eles estão isoladamente só de boné, camiseta larga, short jeans, com a mão no bolso, etc. Por “receio” falo sobre atitudes sutis, como fechar o vidro do carro, entrar rápido em casa, guardar o celular, etc.

    Isso tudo porque estamos falando apenas de violência. Porém, um grupo muito maior (pois não estamos falando mais da idade nem do gênero, mas de pessoas negras em geral) sofre com a raiva, o medo e o estranhamento sistemáticos no cotidiano: figuras intelectuais das mais altas dizem que “buzinar é coisa de preto”; em estádios de futebol, muitos torcedores tentam desestabilizar os adversários com ofensas racistas; nas novelas até pouco tempo o negro servia apenas para ser doméstico, bandido, cachaceiro ou tapa-buracos na trama; por aí vai.

      1. para responder diretamente a alguém, Matheus, você tem de comentar no campo próprio. Se apenas enviar um comentário usando o espaço lá de baixo, ele (o comentário) será publicado conforme ordem de chegada.

    1. ooooooopaaaaa!!!! olha aí um xenófobo!!!! qual o problema com meu nome alemão???? olha aí um racista!!!! qual o problema em eu ser branquinho dos ói azul????? olha aí um senhor da razão!!!! não me conhece mas afirma que não conheço a rua. Olha aí um antissemita!!!!! diz que eu, um judeu, não sei o que é preconceito.

      vou correndo para o Globo escrever um artigo desancado o Brasil e os brasileiros porque o (ou a) Ruby me ofendeu. Buáááááá!!!!

  37. Já tinha lido!!!

    Mas na boa,
    Opinião como ele mesmo descreve, é pessoal e baseada em valores, concepções e percepções de cada um, temos que respeitar p sermos dignos da recíproca.
    Então com todo respeito ao rapaz, eu fico a me perguntar depois de uma atenta leitura
    -Primeiro: será que está falando mesmo do Brasil???
    Já presenciei crianças dentro de condomínio de classe alta, sair da piscina no momento que uma criança negra entrou, pasmem!!!!
    Dentre outras.
    Imagina a atriz que vivencia na pele situações rotineiras de preconceito que nem imaginamos, porque não fazem parte do nosso contexto de vida
    -Segundo: não vejo essa questão racial como tendência ideológica e política
    Acredito que a luta contra o preconceito racial é anterior à quaisquer ideologia partidária
    É legal, real e legítima
    É antes de tudo uma questão humana, independente do PT, do PSDB e outras legendas
    Devemos ter um olhar menos raso e superficial p essas questões
    Nem tudo acontece nesse mundão à fora e nesse País de contradições, miséria, ignorância e preconceito
    Como o rapaz descreve, dentro de uma visão limitada que insiste em colocar como real e absoluta
    Infelizmente a vida real dessa família e de tantas outras são atingidas diretamente e influenciadas negativamente pelo preconceito sim, que é profundo e enraizado na nossa sociedade
    A atriz pode ter desabafado c um tom de revolta, e p outros c um certo exagero
    Mas não deixou de falar a verdade
    Infelizmente!!!

    1. Parabéns pela sua ponderação. Basta alguém falar sobre os problema enfrentados pela raça negra neste país que aparece um ou outro dizendo: Que besteira. De onde tiraram isso?
      Esse infame jornalista deveria ficar calado. Sou negro e ele pode acreditar que posso passar horas contando casos de racismo que aconteceu comigo e com pessoa próximas.

  38. No Brasil, nunca existiu escolas para negros, nunca existiu bairro de negros. E tem gente que poderia pensar antes de se expressar, falam que o Brasil é um país racista. Qual país que é normal a interação de tantas raças e crenças, como o Brasil? Aqui branco são amigos de negros, índios casam com brancos. É normal a gente ver num bar uma rodinha tomando cerveja, e sempre tem raças e cores misturadas. A nossa grande virtude é justamente essa, no Brasil. Aqui todos nós somos juntos e misturados. Graças à Deus e a nossa cultura. Thais foi muito infeliz no seu comentário. Perde uma grande oportunidade de não se expressar.

  39. Se o Brasil, é do jeito que a Thais, fala,porque não mudad p/ outro país? Se tem tanto medo porque teve filhos? Meus filhos já são adultos,sinceramente hoje não teria filhos,ta tudo dominado é violência pra todo lado,e todos somos vitimas,Sei que tem preconceito sim,não s´contra negros mais contra brancos também,ao invés de ficar ensinando ideologia de generos nas escolas,ensinar desde cedo, que somos iguais,independente da cor da nossa pele,o que corre nas veias é da mesma cor,então que diferença faz a cor da pele,tenho 3 filhos,1 pele bem branca,outro não tão branco e o caçula pardo,minha familia branca,a do meu marido brancos e negros,não são ricos e nunca deram bola p/ preconceito idiota,vida que segue.Parece qto mais se vitimizam mais aumenta.Querem fazer do Brasil,como o outro fez,nós contra eles,agora querem pretos contra brancos,

  40. Ricardo, você é bem fraquinho… perdi meu tempo lendo seu textinho inutil que tenta deturpar um texto sincero de uma mãe que se preocupa com o futuro do seu filho.

  41. eu concordo plenamente com a Thais. Creio que infelizmente o autor desta critica o senhor Ricardo vive em um Brasil parcial. Talvez porque ele não ser negro ou homossexual em um país que sim, ainda vive dentro de uma bolha preconceituosa, machista e escravocrata. E no mais ele não é uma mulher.

  42. Mandou bem, Ricardo! “Tô contigo e não abro”. Seu texto, um primor. Só tenho a dizer o seguinte: … não aguento mais tanta hipocrisia. Ah, sim, quando vamos para a Alemanha?

  43. Existem uma diferença entre sentir a dor do outro e ter a própria ferida.
    É preciso ser negro para saber o que a Taís está dizendo. Não faz muito tempo, um homem foi abordado em frente uma loja em São Paulo por um segurança de uma loja que dizia: Ninguém pode vender nada aqui, saia daqui. O homem respondeu ao segurança: Ele é meu filho. Não estamos vendendo nada, apenas esperando por minha esposa.
    O segurança insistia com as mesmas palavras.
    Não precisamos dizer qual era a cor do menino. Virou notícia de jornal.
    Se vamos ao lugar bacana, pegamos o elevador, notamos caras feias quando alguém não nos dirige a palavra dizendo que o elevador de serviço fica para o outro lado. Será bravatas minhas?
    Quando jovem, formado em Técnico de Processamento de dados, fui dar manutenção num computador de um cliente. De repente, um deles diz: É difícil preto mexer com computador.
    Disse sem nenhum disfarce, alto e claro para todo muito ouvir.
    Nossa! Se não consigo arrumar o computador, eu e a minha alto estima estaria arruinada.
    Agora, como um sujeito de mídia não sabe disso?

    1. Exato, me mudei para um novo imóvel e o porteiro avisou a minha esposa que devia seguir o regulamento e usar o elevador de serviço… Ele foi gentil e nos avisou com medo de perder o trabalho…
      kkk

  44. VOCÊ ESTÁ EM UMA RUA, VEM UM NEGRO? QUAL A SUA REAÇÃO? VEM UM BRANCO, QUAL A SUA REAÇÃO?
    O SEMÁFORO FICOU VERMELHO, DO CARRO COM JANELA ABERTA, VOCÊ AVISTOU QUATRO GAROTOS NEGROS… QUAL A SUA REAÇÃO? A MESMA CENA, PORÉM QUATRO GAROTOS LOIROS…
    NÃO DÁ PARA FILOSOFAR, SÓ QUEM É NEGRO SABE O QUE A GENTE PASSA PARA MANTER A CABEÇA ERGUIDA…

    1. Deve ser porque 90% dos assaltantes são louros, nordicos e andam de Ferrari. Talvez seja por isso que quando deparamos com um turma de negros não existe nenhum problema e ficamos todos felizes e vamos tomar uma pinga juntos no bar da esquina. Nada mais patético do que pateta descolado da realidade…

  45. Negros e pardos ganham a metade do salário recebido pelos brancos, mostra IBGE
    Por Agência Brasil , 17/11/2017 às 15:45
    atualizado em: 17/11/2017 às 16:09 TEXTO: + –
    Reprodução/Repórter Brasil

    Pessoas de pele preta e parda sofrem mais com o desemprego e, quando têm emprego, trabalham em atividades de menor qualificação e em piores condições, como o trabalho doméstico ou de ambulante. O resultado é que, no terceiro trimestre, o rendimento médio dos trabalhadores negros e pardos (R$ 1.531,00) foi quase a metade (55,5%) do registrado para brancos (R$ 2.757 00), mostram dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) trimestral, divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O Brasil tem 1,832 milhão de ambulantes, sendo que 1,222 milhão, ou 66,7%, são negros ou pardos. Empregadas e empregados domésticos somam 6,177 milhões de pessoas, e 4,076 milhões, ou 66%, têm a pele preta ou parda. Esses dados são inéditos e fazem parte de um estudo especial sobre as desigualdades do mercado de trabalho conforme a cor da pele, preparado pelo IBGE por causa do Dia da Consciência Negra, comemorado no próximo dia 20.

    “Eles (pessoas de pele preta ou parda) estão inseridos em atividades com menor qualidade, que exigem menor formação e, consequentemente, são grupos de atividades que pagam salários menores”, afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

    O pesquisador citou a colonização como origem da desigualdade. “Estamos falando de uma população de origem afrodescendente, que chegou ao País por meio da escravidão”, lembrou Azeredo. Para ele, essa raiz histórica mantém as desigualdades na escolaridade com efeitos no mercado de trabalho. “Isso tem mais de 100 anos (a abolição da escravidão), mas vemos ainda marcas bastante expressivas dessa tragédia que foi a colonização do Brasil”, completou o pesquisador.

    De 2007 em diante, as pesquisas por amostra de domicílio do IBGE passaram a registrar que o contingente da população preta e parda supera o total da população branca – a cor da pele é informada pelo próprio respondente da pesquisa. Conforme os dados do terceiro trimestre deste ano, pessoas de pele preta e parda respondem por 54,9% da população de 14 anos ou mais e por 53% da população ocupada.

    Se o mercado de trabalho fosse igualitário, essa participação de 53% deveria se repetir em todas as atividades, mas não é o que ocorre. Embora sejam a esmagadora maioria entre ambulantes e trabalhadores domésticos, as pessoas de pele preta ou parda são minoria entre empregadores – apenas 33% dos 4,245 milhões de empregadores é de negros ou pardos.

    A desigualdade se repete também entre os desempregados. No terceiro trimestre, 12,961 milhões de pessoas estavam na fila do desemprego, segundo a Pnad Contínua. Dessas, 8,252 milhões têm a pele preta ou parda, 63,7% do total. Com isso, a taxa de desemprego da população preta ou parda é de 14,6%, acima da média, que ficou em 12,4%. Entre as pessoas de pele branca, a taxa de desemprego ficou em 9,9%.
    Fonte: http://www.itatiaia.com.br/noticia/negros-e-pardos-ganham-a-metade-do-salario-re

    1. Será porque? Porque são mais burros ou o mercado seria idiota de selecionar pela cor da pele? Conheço executivos negros e competentes então vamos parar de conversinha fiada e pesquisa fajuta ate porque o aparelhamento dos institutos de pesquisa cujos resultados so servem para abastecer de dinheiro ONGs criminosas, já ficou evidente.

  46. MARCELO, VC SE ESQUECEU DE DIZER QUE QUEM MATA SÃO OS MESMOS NEGROS QUE VC DEFENDE. ANALISE AS CÂMERAS DE VÍDEOS DE SEGURANÇA, E VEJA QUEM APONTA AS ARMAS, ROUBA CELULARES, MOTOS, CARROS, BOLSAS E A VIDA. O QUE HÁ DE ERRADO?????

    1. Facista, não, seu burro! FaScista!!! Assim como não sabe o significado de fascismo, igualmente desconhece a escrita.

      E sou é górpista, sacou?!?

    1. Também nunca vi texto tão ridículo! Chega a me assustar! Não tem nenhum argumento sério, apenas frases desconexas e preconceituosas. Devia ter ido esfriar a cuca antes de começar a escrever tanta asneira! Ela provavelmente passou por alguma situação e escreveu o desabafo. É um medo que ela tem e compartilhou. Não ofendeu, não nomeou…. E você, a troco de que escreveu isso?

  47. Tenho medo mesmo é de ser assassinado pela rede globo. Então quando ela aparece e seus astros e atrizes de rebolado vagabundo e tramas de “barraco” eu tiro a sintonia da tv.

  48. Ricardo com todo respeito você foi infeliz no seu comentário, perdeu uma grande oportunidade em ficar calado. Difícil julgar o texto da atriz quando se é branco e rico. Sou negra, advogada e com uma condição social muito acima da maioria dos brasileiros, mesmo sendo uma beneficiada financeiramente a cor da minha pele não impede que eu sofra preconceito. Cada vez que eu entro em um supermercado ( que eu frequento desde sempre) tem um segurança me seguindo, principalmente se estou vestida de forma mais casual, toda vez que entro em uma loja sou a última a ser atendida. Vou pular as suposições e te contar fatos reais que já aconteceram comigo: Certa vez fui comprar uma mesa de jantar e quando perguntei o preço a dona da loja me respondeu friamente sem se quer se levantar para me atender, ” só cada pé é 3k” como se eu tivesse perguntado o preço de cada pé. Outra vez me perguntaram se eu era babá ou mãe do meu filho (loiro)…. em uma outra ocasião fiz reserve em uma casa de shows da moda na época em BH café de la musique), mesmo tendo aceitado comprar uma garrafa de champagne (obrigatório para fazer reserva nesta casa) quando me apresentei na porta a hostess me olhou de cima em baixo e disse que me nome não estava na lista de reservas. Se eu for contar todos os constrangimentos que já passei pela cor da minha pele poderia escrever um livro. Então tenho toda a segurança para afirmar que o texto da Taís não é infame e não ofende todos o brasileiros, pelo menos não a grande maioria negra que enfrenta preconceito todos os dias. Seu texto sim é uma ofensa para mim e para todos aqueles que vivem o preconceito na pele. Talvez você tenha escrito o texto no calor da emoção e não tenha se dado conta que ficou parecendo o texto de uma pessoa racista que nega a realidade. Negar o racismo no Brasil e como negar o holocausto, porque milhares de negros são segregados, maltratados e assassinados todos os anos unicamente pela cor da pele.

  49. Você é só mais um preconceituoso de merda que é mantido por um jornal lixo que obedece ao Senador Aspirador de pó ladrão. Sua argumentação é ridícula. Faça um favor a si mesmo e à humanidade, se mate.

  50. Essa picareta intelectual é a prova contrária de tudo o que ela diz. Ela não fez sucesso aqui? Não se tornou atriz aqui? Que se mude para Cuba, Africa ou outro lugar e suma do Brasil. Aliás a Italia, Portugal, e outros países europeus recebem filas de pessoas querendo obter cidadania. Alguem já viu um cretino desses vitimistas como essa madame, pedir cidadania angolana, sudanesa ou de outro maravilhoso país da Africa? Claro que não! Mas todos querem mamatas aqui, como se tivessem sido retirados de um paraíso, sendo que a Africa continua a mesma porcaria há seculos pela incompetência do seu povo. Chega dessa palahaçada e de mi mi mi.

  51. Sou negro, nasci em uma favela e já passei por situações como a descrita pela Taís Araújo. Estudei, completando a trajetória universitária, graduação e pós. Nunca me achei inferior ou menos capaz que qualquer branco. No entanto, teria que ser cego e estúpido para não enxergar o gigantesco e imoral racismo presente no Brasil. Você , por origem, preconceitos ou limitação cognitiva,nunca vai entender isto.

  52. Ricardo Kertzman, pelo sobrenome ja vi tudo, em que pais, bairro, planeta vc vive meu amigo???
    o pre conceito contra o negro, a má vontade é latente, visivel, e vc ai destilando seu descontentamento ou sei la o que contra os negros, texto muitoooooo infeliz de alguem que certamente demonstra um sentimento velado de aversão ao negro, se situa malandro, covarde é voce

  53. Eu sou brasileira e branca e me sinto atacada pelo seu texto, que nega a realidade: os negros são discriminados no Brasil. E só ver as estatísticas! Temos que encarar a realidade a fim de transforma-la e criarmos um pais melhor, onde as oportunidades sejam mais iguais para todos. O texto da Thaís descreve a realidade. E, apesar de você dizer que respeita a opinião do outro, isso não parece verdade, quando você tenta menosprezar a visão dela, dizendo que você trabalha e colabora para um país melhor e ela não faz nada…Será? Ela trabalha, é atriz, participa de movimentos sociais … você ignora, menospreza e despreza o trabalho dela, achando-se melhor que ela? A raiz de todo totalitarismo, violência e preconceito é o ego inchado, é um ser humano se achar melhor ou superior ao outro.

    1. Se você transcrever o trecho em que eu digo que ela não trabalha e não faz nada em prol do Brasil eu me atiro sob um caminhão de esterco. Caso não consiga encontrar tal trecho, você faz o mesmo. Topa ou só é mais uma analfabeta funcional que acusa os outros por não entender o que lê?

      1. Xingar o outro de analfabeto funcional e de incapaz de entender o que lê só por que pensa diferente de você não é uma atitude de tolerância, nem de respeito e não ajuda a construir um país sem ódio, onde as pessoas possam viver em paz e civilizadamente, apesar de terem opiniões diferentes.

        Quanto ao seu texto, nele você deixa claro: EU “gero emprego, pago impostos, distribuo renda, cumpro perfeitamente a função social de um empresário. Agora eu te pergunto: e a senhora? Faz a sua parte? Trabalha para acabar com a pobreza? Poderia, se não for muito incômodo, dizer o que faz para isso? Gostaria muito de saber…”
        Ou seja, você não reconhece que ela também trabalha, paga impostos, distribui renda…Chega a perguntar: “Poderia … dizer o que faz para isso? Gostaria muito de saber…”
        O texto é muito claro em mostrar que o narrador (você) se acha superior e melhor do que a Thaís, desqualificando a função social do trabalho dela e enaltecendo a sua própria.
        Isso não ajuda. Para termos um pais melhor temos que fomentar o respeito e a tolerância com a diferença.

        1. Se ajuda ou não a construir um país, sinceramente, pouco me importa. Não tenho essa missão, nem essa preocupação, muito menos essa esperança.

          Analfabetismo funcional é isso mesmo. Não há outro nome que defina o caso. Se soa rude ou ofensiva a verdade, pense que talvez soe tão rude e ofensivo uma acusação sem fundamento, já que baseada numa incapacidade de interpretação de um texto. Quando eu pegunto o que ela faz, peço que me diga e deixo claro que irei parabenizar, é isso mesmo que significa. Quem compreende o contrário é ou porque quer ou por não sab er ler.

  54. Que pena que esse Ricardo destorceu toda a fala da Thais. Quando ela diz que o filho dela nao pode sair na rua sujo do futebol é porque será facilmente confundido com um “trombadinha”. Essa é a pura realidade. Infelizmente. Pior que o preconceito é negar que ele exista. E fica uma pergunta, ela te ofendeu em que? Pelo visto quem vive em um mundo de fantasias é você Sr Ricardo. Passe bem! Ops, você já vive bem no conto de fadas…..

  55. Não sou petista, nem tucano, nem nada! Mas às vezes leio os “besteiróis” desse “colunista” apenas para lembrar que a imbecilidade existe e persiste!

  56. São tantas verdades que ficam escondidas. Umas por medo por serem interpretadas por racismo, outras por falta de oportunidades de serem expressadas (como aqui neste blog), outras por posições políticas que cegam, outras por parecerem politicamente incorreto entre outros motivos. Esta atriz também imagina (ou delira?) que a policia carioca é toda composta por brancos e loiros germânicos racistas. Se for fazer uma estatística do perfil racial dos criminosos (varia também de estado para estado) teremos os pardos disparados na frente, seguido dos negros. Os brancos dominam no topo da piramide do crime. Neste caso, são os corruptos (ativos e passivos), os grandes traficantes (armas e drogas) ou grandes assaltantes de bancos. Resumindo, em valores, os brancos respondem por bem mais da metade dos prejuízos criminosos e numericamente representam menos de 10%. Os criminosos negros e pardos são mais violentos, agem por impulso e se ocupam naqueles crimes de ocasião e de oportunidade (base da piramide). Uma verdade que os esquerdistas (que nem esta artista) não assumem é que as mortes criminosas de negros não tem causas racistas e são em grande parte perpetradas, em sua maioria, por outros negros ou pardos, basta observar e comparar o índice de violência nas favelas e em bairros de predominância branca. Mas tem algo de verdade no que esta artista diz: se seu filho negro (quando for adolescente) um dia ficar sujo, descalço, fazer cara de mal, colocar um bonezinho e sair andando sacolejando em plena Leblon ou Barra da Tijuca, vai ser abordado por um PM (seja negro ou não) e vai amedrontar madames (sejam negras ou não) e a todos de bem (sejam negros, pardos ou brancos). Eu perguntaria para esta jovem artista global, se ela mesma algum dia estivesse numa rua vazia, sozinha, a noite e viesse em sentido contrário uma turminha de negros e pardos, sujos, descalços e com andar sacolejante, qual seria a reação dela ou para quanto o seu coração aumentaria seus batimentos? Faria a mesma pergunta, se a turminha fossem de brancos e bem vestidos e outra pergunta seria de brancos e loiros, mas mal vestidos. O que vem na nossa mente nestes momentos, são as estatísticas reais, são os fatos e imagens retratados pelas paginas policiais dos jornais. É a mesma coisa quando sentimos medo de viajar num avião de pequeno porte. Vemos muito mais acidentes com este tipo de avião do que com os grandes. Sentimos mais seguros quando entramos num grande boeing. Mas não quer dizer que um grande avião não possa cair. Mas por favor racistas fundamentalistas de plantão, uma coisa é ser racista outra é falar a verdade. Só falta culparem os brancos pelo fato dos negros e pardos serem mais violentos. Ah, já falaram? Então não falta mais nada mesmo. Ai eles eles vem com a mesma ladainha, que a polícia é racista, a justiça é racista, os brancos são a elite fascista e cruel e que não deixam os negros e pardos crescerem etc etc. Ah ia me esquecendo de mais uma alucinação deles, dizem que os brancos são todos coxinhas. É pra fechar com esta, mas é verdade.

    1. Faço minhas as palavras do seu comentário muito bem analisado . Há um discurso demasiado fundamentalista em voga … um complexo de inferioridade mais racial do que social . No Brasil vitimizam-se os negros com racismo ?? E na Europa , os brancos que sofrem exatamente os mesmos processos sociais ??? como se poderá definir ?? São várias as questões envolvidas … mas como eu costumo dizer, vitimismo dá mais ibope e talvez esta atriz precise tirar algum realce do momento .

  57. ” Artista global em surto de fantasia ofende todos os brasileiros de bem”
    Ricardo Kcrtzman.
    Ricardo Kertzman nasceu em 1967. Um homem inquieto, irrequieto e inundado de sentimentos.
    Branco.

    Achei a manchete – assim como todas nos ultimos anos – chamativa e um pouco fora do ”foco”
    Vamos desenhar…

    Surto é um termo usado na epidemiologia para identificar quantidades acima do normal de doenças contagiosas ou de ordem sanitária.

    Fantasia é uma situação imaginada por um indivíduo ou grupo que não tem qualquer base na realidade em si (concreta), mas expressa certos desejos ou objectivos por parte do seu criador/paciente.

    Ativista, feminista, consciente – especialmente por ter vivido – situacoes onde sua pele foi um fator discriminatorio, esta brasileira esta em um ”surto de fantasia” segundo o jornalista, branco, que diante do seu computador, assim como eu derrama sua opniao para quem quiser ou se interessar ler e quem sabe absorver o conteudo que pode ajudar ou nao a vida dos leitores.

    Eu acredito que choque de realidade nao faca parte do cotidiano de muitos, mas infelizmente, cotidiano e criancas confundidas com infratores, sao realidade em varias partes do mundo, e muito alem de andar descalco sem camisa, ou mesmo num onibus cheio, voltando da faculdade exausto(a), algo ruim sera associado a sua imagem na maioria das vezes por sua cor negra.

    “Fechei o vidro do carro no sinal, porque um negro atravessava rua usando uma mochila –
    parecia suspeito.”

    “Joguei minha bolsa, no banco ao lado no onibus para que aquela moca – negra – nao
    sentasse ao meu lado.”

    “Era minha vez, de atender o proximo cliente na loja, mas aquele cara – negro – entrou,
    passei a vez para minha colega, perdi uma grande venda.”

    “Fique de olho naquela mesa, eles podem sair
    sem pagar – sao negros”

    “Estava indo na padaria, mas era tarde, quando vi aquele cara – negro – se
    aproximando, apertei meu passo e atravessei para o outro lado.”

    “Estava na lanchonete com minha amiga, e me virei de costas,
    porque aquele garotinho – negro – ia me pedir dinheiro.”

    Essas e outras inumeras situacoes acontecem TODO DIA, e voce, que esta confortavel lendo esta ”opniao” faz o que para mudar isso?

  58. Olha Ricardo eu entendo a sua decepção e indignação com respeito aos comentários da Thais, a gente nunca espera isto de pessoas publicas formadoras de opinião, mas infelizmente ela tem razão, apesar de o Brasil ser um pais de gente alegre e acolhedora é mais que comum o brasileiro valorizar os outros pelo que tem e não pelo que são. Independente de cor e raça esta é uma pratica comum da nossa sociedade e os motivos são os mais variados, então é ingenuidade achar que o que Thais disse nunca acontecera, porque acontece todos os dias com milhões de brasileiros, brancos, pretos, mulatos índios e etc. Porque a gente é assim preconceituoso por natureza mas nunca admitimos. Nos brasileiros precisamos evoluir como sociedade precisamos cobrar o respeito ao próximo, do próximo e de si mesmo e o dia que isto for uma pratica comum na nossa sociedade ai talvez poderíamos dizer que a Thais estaria exagerando, hoje não.

  59. Olha Ricardo eu entendo a sua decepção e indignação com respeito aos comentários da Thais, a gente nunca espera isto de pessoas publicas formadoras de opinião, mas infelizmente ela tem razão, apesar de o Brasil ser um pais de gente alegre e acolhedora é mais que comum o brasileiro valorizar os outros pelo que tem e não pelo que são. Independente de cor e raça esta é uma pratica comum da nossa sociedade e os motivos são os mais variados, então é ingenuidade achar que o que Thais disse nunca acontecera, porque acontece todos os dias com milhões de brasileiros, brancos, pretos, mulatos índios e etc. Porque a gente é assim preconceituoso por natureza mas nunca admitimos. Nos brasileiros precisamos evoluir como sociedade precisamos cobrar o respeito ao próximo, do próximo e de si mesmo e o dia que isto for uma pratica comum na nossa sociedade ai talvez poderíamos dizer que a Thais estaria exagerando, hoje não.

  60. O que ela falou não tem nenhum absurdo, hoje vi uma reportagem na qual falavam que um jovem foi brutalmente espancado por ser negro . As crianças negras já são discriminadas de forma absurda nas escolas e em outros meios, as pessoas quando veem um neguinho já seguram a bolsa com mais força, isso é fato. Ela só falou a realidade do Brasil, não só do Brasil, pois a poucos tempos em países ” mais evoluídos” mataram carinhas só porque eram negros… Concordo com seu comentário.

  61. Dizer que isso não existe no Brasil só mostra quem realmente está viajando na maionese. Que triste que pessoas assim tenham espaço para ficar dando sua opinião sem fundamentos e com uma visão tão deslocada da realidade.
    É o velho discurso do preconceito velado: Isso não existe no Brasil.
    Que cara IDIOTA é você!!!

  62. Ricardo Kertzman, seu ponto de vista é obtuso. Pretendendo ser inteligente você comete erros grotescos de interpretação da realidade. O seu discurso é tolo, porque você não tem a experiência de vida de um preto no Brasil, então sua perspectiva está sintonizada com as formas de opressão que os pretos conhecem bem. Vejo um rapaz que diz ser preto comentar lhe dando razão, então me pergunto que preto é esse? Preto de redoma ou preto de quebrada? Preto de Casa Grande ou preto de Senzala? O que a Thays Araújo diz faz parte de uma realidade que ela, o Lázaro, eu e milhões de brasileiros, incluindo brancos, conhecemos como experiência de vida. Tenha a dignidade de compreender que a demanda por respeito não é vitimismo. Quando falamos de racismo, estamos buscando diálogo. Exceto pessoas pouco esclarecidas e falantes como você, há muitas pessoas brancas cientes das dificuldades dos pretos no Brasil. Se você mora em São Paulo, lhe faço um desafio: conte quantos pretos desembarcam na estação Consolação do metrô entre as 6 e 9 horas da manhã. E me explique o motivo de a porcentagem de pretos ser inexpressiva em relação à de brancos. E me explique por que meus alunos pretos têm mais dificuldade de se encaixar no mercado de trabalho, mesmo quando são mais competentes do que os brancos. Se aceita uma sugestão, apague esse post. Você está absolutamente desinformado e inconsciente a respeito de um assunto que nunca foi problema na sua vida. Seu discurso é preconceituoso, arrogante, desnecessário e lamentável.

    1. Concordo que racismo existe sim e não é só no Brasil . Mas me diga , será que um branco pobre não sofrerá as mesmas dificuldades na colocação no mercado de trabalho ??? Portanto , não podemos analisar como sendo uma questão isolada de preconceito à raça , mas sim um conjunto de fatores que inclui essencialmente o sociocultural .

  63. O autor não conhece a realidade do racismo, deveria se informar melhor. Vive em um mundinho tão particular que não enxerga 1 metro a sua volta. Ficou irado com o discurso da atriz? Problema seu, precisa de tratamento urgente.

  64. -Falou o homem branco…
    Fácil opinar assim, não é mesmo? Com quantas pessoas negras vc conversou sobre racismo antes de escrever esse artigo? Confirmou se essas falas fazem sentido para outras pessoas negras? Sugiro ler ou assistir Djamila Ribeiro e outras autoras negras, ouvir músicos negros, conversar com pessoas negras nas ruas dos bairros e favelas. Recomendo ler Paulo Freire e Darcy Ribeiro também. Ouvir o grupo de pessoas diverso do nosso é essencial para um mínimo entendimento de nossa sociohistória- entendimento que não percebi, nem minimamente, no seu texto. Desculpe a sinceridade, mas o li agora tá bem longe de ser apenas “opinião”.

  65. -Falou o homem branco…
    Fácil opinar assim, não é mesmo? Com quantas pessoas negras vc conversou sobre racismo antes de escrever esse artigo? Confirmou se essas falas fazem sentido para outras pessoas negras? Sugiro ler ou assistir Djamila Ribeiro e outras autoras negras, ouvir músicos negros, conversar com pessoas negras nas ruas dos bairros e favelas. Recomendo ler Paulo Freire e Darcy Ribeiro também. Ouvir o grupo de pessoas diverso do nosso é essencial para um mínimo entendimento de nossa sociohistória- entendimento que não percebi, nem minimamente, no seu texto. Desculpe a sinceridade, mas o li agora tá bem longe de ser apenas “opinião”.

  66. Engraçado, os negros sonham em ganhar uma nota PRETA na loteria, comprar uma limusine PRETA, que é o simbolo da ostentação e outras coisas do gênero. Não querem nem saber se tiveram um passado NEGRO, se sofreram com a peste NEGRA, se têm uma Aura NEGRA. Ai eu pergunto, qual das duas palavras tem sentido pejorativo? Bando de idiotas. Porque que ao invés de ficarem nessa frescura de dia da consciência negra, não criam o dia da CONSCIÊNCIA HUMANA?

  67. Ricardo, depois de ler seu ótimo texto com os comentários da atriz com pensamento Borderline, me pergunto: Os filhos dela nasceram com cara de petista? Então, é melhor ela JAIR se acostumando.

  68. õ racismo disfarçado, ô facismo/racismo que jamais se esconde, nem mais nas entrelinhas pode se disfarçar e ainda se atreve, do alto ditatorial de sua ignorância criticar uma mãe que teme por seu filho. ô racismo de merda que nunca vai acabar,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.