Skip to main content
 -
Ricardo Kertzman nasceu em 1967. Um homem inquieto, irrequieto e inundado de sentimentos.

Sobre pais, filhos e o ciclo da vida

Share on Facebook319Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

A paternidade é primeiro vivida quando somos crianças, depois exercida quando temos nossos próprios filhos, e ampliada quando cuidamos dos pais

O recomeço e o fim cruzando o olhar

Nascemos, crescemos, envelhecemos e morremos. Este é o ciclo natural da nossa existência, infelizmente, às vezes, abreviado, em alguma etapa, pelos infortúnios da vida. É nessa jornada que nós, seres humanos, nos diferenciamos dos demais habitantes deste planeta. Aprendemos a nos agrupar em torno dos pais e filhos, ao contrário dos animais, que simplesmente seguem os próprios rumos após a reprodução, o nascimento ou os primeiros cuidados essenciais.

A vida não se resume, obviamente, à paternidade. Homens e mulheres que não têm filhos não são seres anormais, diferentes. Aqueles que optaram por não “reproduzir” — ou que não puderam, por outros motivos — vivem as vidas da mesma maneira que os demais. Como tudo, ter ou não ter filhos implica em perdas e ganhos. Mensurar o resultado (se positivo ou negativo) é tão produtivo quanto contar estrelas. Pessoas ou casais plenos não precisam de filhos para se realizar. Encontram, em si mesmos, aquilo que os filhos também trazem.

Por outro lado, aí, sim, se estamos vivos é porque tivemos pais. Jamais nos foi dada opção contrária, hehe. E se por vezes a paternidade escapa de alguns, a “filharidade” nunca. Ainda que exercida à distância ou sem muito apego, o fato é que o elo que une pais e filhos permanece presente até o fim. De ambos! Não importam a ordem e o prazo da finitude de cada um. Aquele que restou o carregará. Certas coisas são indissolúveis; mesmo que, às vezes, um pouco frágeis ou sem muito significado, sem muita importância.

Amar, cuidar, proteger, amparar… Não há diferença nos atos de amor praticados por quem ama. Ser amado, cuidado, protegido, aparado… Tampouco há diferença para quem os recebe. Os substantivos que nomeiam pais e filhos não distinguem os agentes (ativos ou passivos) desta relação de troca que estabelecemos entre nós: amamos, cuidamos, protegemos e amparamos, uns aos outros, do início ao fim das nossas vidas. Como crianças, como adultos e como velhos. A troca de gerações permite inigualável fonte de afeto e segurança — quando exercidos, claro.

Hoje é o dia dos pais! Dos pais dos filhos e dos pais dos pais, que não são os avós. E dos pais que não tiveram filhos, mas que ainda têm os pais. Todos cuidando e amando os filhos e os… pais. Difícil, confuso? Que nada. Basta ler com atenção. Quem é pai dos pais saberá entender. E se também for pai dos filhos, duplamente melhor. Como os pais de filhos e netos já sabem bem.

Cuide e ame os filhos. Cuide e ame os pais. O ciclo da vida toma conta do resto.

Feliz dia dos pais!

Share on Facebook319Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

Postagens relacionadas

Quando um filho torna-se pai… "Ricardo, o que você está ganhando com este negócio de blog"?, é uma pergunta que me fazem a todo instante. Bem, confesso que financeiramente nada...
Publicidade

Um comentário em “Sobre pais, filhos e o ciclo da vida

  1. Olá Inundado, neste começo de semana gostaria de sugerir um tema para discussão neste espaço. O PBH Ativos S/A. Seria importante que os munícipes soubessem o que faz este órgão. Desafortunadamente não faz coisa boa não, viu! Sorte, Saúde e Sabedoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.


*