Skip to main content
 -
Ricardo Kertzman nasceu em 1967. Um homem inquieto, irrequieto e inundado de sentimentos.

Quem quer rir, tem que fazer rir.

Share on Facebook119Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

Ai, ai… Vou apanhar como um cão sarnento. De novo! Mas já me acostumei. A casca é dura e a chibata não dói. Mãos à obra, portanto.

Cena do filme Tropa de Elite

A vida não é um parque de diversões, infelizmente. Nem ninguém veio ao mundo a passeio. Gente rica trabalha muito mais. Por que conosco tem de ser diferente? Por que o Brasil, um país pobre para miserável, sem poupança interna (nem pública nem privada), carente de absolutamente tudo, acha que seu povo tem de trabalhar menos que a média inferior dos países desenvolvidos e ricos? Por que os tais socialistas pensam que devemos passar a vida trabalhando muito menos do que estudando e descansando? Pessoalmente, adoraria que a vida fosse assim: De uma média de 75 anos de vida, estudar-se-ia por cerca de 20; trabalhar-se-ia por aproximadamente 30; divertir-se-ia por outros 25. Só que a conta não fecha.

O Brasil envelheceu pobre. Perdeu a vantagem histórica do “bônus demográfico” e não acumulou riqueza. Ao contrário. Endividou-se ainda mais. Pior! Endividou-se e não construiu nada. Apenas consumiu. Assim, chega à velhice sem patrimônio, endividado e sem renda para sobreviver. Resultado: Ou trabalha-se mais ou morre. O sistema previdenciário não só não é capaz de manter quem já está dentro, como também será incapaz de suportar quem estará adentrando nos próximos anos. A quebra é certa. Mais certo ainda é o resultado: Mais gente desamparada pelo Estado que tira tudo e não devolve nada.

A reforma da previdência foi criminosamente adiada pelos últimos três governos petistas: Dois de Lula e um de Dilma. FHC iniciou a reforma possível à época, mas foi tragado pela crise cambial de 99. Lula, por sua vez, surfou na maior onda de tranquilidade e prosperidade da recente história mundial. Tinha obrigação moral de tocar a reforma. Tinha capital popular e cacife político para tanto. Mas deixou pra lá e resolver abraçar o populismo irresponsável. Dilma, por sua vez, mesmo pegando um país carcomido por dentro, pela corrupção e pelo déficit deixado pelo bravateiro anterior, teve ao menos duas grandes oportunidades para mexer na merda. Preferiu tapar o nariz e fingir que estava tudo bem. Somente na campanha eleitoral de 2014 voltou ao tema. Prometeu — e não cumpriu — uma reforma que equilibrasse o sistema.

Michel Temer poderá entrar para a história como o presidente que salvou o país. Basta enfiar a mão no vespeiro e verdadeiramente reformar o sistema previdenciário. Mas para valer! Nada de acomodar este ou aquele setor, esta ou aquela categoria. Os sinais, até agora, são dúbios. Diz-se uma coisa, pratica-se outra. Pelo menos foi assim na tal reforma ministerial e no rascunho das novas leis orçamentárias. O Brasil terá de trabalhar mais e de contribuir mais, sim. Ao mesmo tempo em que os senhores governantes terão de roubar menos, as castas perderem seus privilégios imorais e o sistema previdenciário, como um todo, sair da incapacidade absoluta para algo minimamente eficaz e funcional. Se for assim, o rolo será bom para todos. É o tal ditado do título: Quer rir….

Share on Facebook119Share on Google+0Tweet about this on Twitter0

Postagens relacionadas

É mentira! O Brasil não é o Rio. O Rio não é a Oli... A mentira olímpica vista pela realidade carioca. Eu gostaria muito que o país que a Rede Globo, através da dupla Galvão Bueno e Glória Maria inven...
Meirelles em 2018? Ótimo! Henrique Meirelles estreou a sua primeira propaganda de campanha presidencial. Afinal, 2018 é logo ali. Seja bem-vindo, futuro presidente. Quem m...
PT (Perda Total) também em Minas A calamidade que assola Minas Gerais não é só financeira; é também moral. Chama-se Fernando Pimentel Pimentel é que é uma verdadeira calamidade D...
Em nome do pai, do filho e do diabo que os carregu... Numa forma moderna de cangaço, os bandoleiros da pátria esquecem a disputa pelo butim e partem unidos rumo a novos cofres para pilhar Não há legenda...
Publicidade

10 comentários em “Quem quer rir, tem que fazer rir.

  1. Hoje, no meu trabalho, me olharam como se eu fosse louca quando defendi isso. E completei: rezem pra Temer fazer isso ou vocês não terão como aposentar. E a louca sou eu.

  2. Excelente. Sem medo do politicamente (in)correto, falou e disse tudo! Não se preocupe com os comentários dos jovens, a grande maioria só quer cursar Direito e fazer concurso pra ficar “tranquilo” (medíocre)!! Abraços

  3. Infelizmente esta é a verdade e acrescido que a população cada vez mais velha, sem possibilidade de emprego pois este pais não dá valor ao conhecimento, ficando doente sem saúde pública.Vamos sofrer e rumo ao caos. Só um governo sério poderá refletir para tentar melhorar esta situação. Melhor chorar……..

  4. Pela primeira vez não concordo contigo. “Reforma da previdência” é só o titulo para politicos rirem da cara do contribuiente (seja público ou privado, aliás o público é o que mais paga e o que nas ultimas 2 reformas foi o msis sangrado). Legislativo, judiciário e algumas carreiras do executivo, só pagam sobre o q convém e/ou tem regras específicas de aposentadorias. Fora isso temos uma questão técnica. PQ nunca consultam um ou mais Atuarios sobre o que está errado no sistema? Baseiam suad reformas em “achometro” de politicos que não sabem a tabuada e vivem pendurados nas tetas do poder. PREVIDENCIA é seguro tem q ter arrecadação certa e específica. ASSISTENCIA Social é atribuição unicamente do governo de puder fazer faz senão corte outros gastos supérfluos para atender os necessitados. É preciso separar o segundo S do INSS o social tem que ir osra o orçamento com verba especifica proveniente dos impostos, jamais sair de encargos previdenciarios. Outro ponto. Metade dos fiscais do governo tirem a bunda de suas cadeiras reclináveis e vão fiscalizar as empresas qto ao cumprimento da legislação ja existente e q se imponha a esses conduta ilibada sob penas severas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.


*