Especialistas da ONU pedem mais proteção para quem procura vítimas de desaparecimentos forçados

Publicado em

Protesto no Rio de Janeiro em agosto de 2013 cobra das autoridades esclarecimento sobre desaparecimento forçado de um ajudante de pedreiro. Foto: Fernando Frazão/ABr

Protesto no Rio de Janeiro em agosto de 2013 cobra das autoridades esclarecimento sobre desaparecimento forçado de um ajudante de pedreiro. Foto: Fernando Frazão/ABr

“É preciso melhorar a proteção daqueles que trabalham para acabar com os desaparecimentos forçados”,disseram os presidentes do Comitê da ONU sobre Desaparecimentos Forçados e do Grupo de Trabalho sobre Desaparecimentos Forçados ou Involuntários à Assembleia Geral da organização, em reunião realizada na semana passada.Os especialistas também ressaltaram como a natureza brutal dos desaparecimentos forçados exige que todas as partes trabalhem com rapidez e de forma construtiva para garantir o fim dos sumiços e a punição dos culpados.O chefe do Comitê sobre Desaparecimentos Forçados, Emmanuel Decaux, entregou o segundo relatório elaborado pelo organismo à Assembleia Geral da ONU e afirmou que o grupo já começou a examinar os processos apresentados pelos países e receber solicitações para localizar e proteger individualmente vítimas de desaparecimentos.Já o presidente-relator do Grupo de Trabalho, Ariel Dulitzky, enfatizou a necessidade de identificar e desenvolver novas estratégias para enfrentar os desafios atuais para eliminar os desaparecimentos forçados.“Novas políticas devem ser adotadas, técnicas criativas devem ser usadas e meios inovadores devem ser concebidos de forma a resolver os casos de desaparecimentos forçados individualmente”, sugeriu.Os especialistas ressaltaram o papel das associações de parentes e das organizações não governamentais (ONGs), que estão encontrando cada vez mais desafios financeiros para localizar as vítimas. “É responsabilidade dos governos e doadores apoiarem fortemente parentes e organizações que estão pedindo justiça, verdade e reparação”, concluíram.(Fonte: Agência ONU BRASIL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *