Zezinha

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Zezinha é apenas papel de presente para o amor que este dia das mães inspira. Sua história o representa e revela. Assim, o texto poderia se chamar Ilka, Adriana, Stefânia, Cris, Tereza, Paula, Mônica, Lúcia, Márcia, Renata, Berenice, Carolina, Ana Cristina, Fernanda, Karina, Kátia…   Minha mãe não sabe mais beijar. Ela morde quando lhe pedem um beijo, embora desconheça, […]

Tempo, tempo, tempo

Publicado em 2 ComentáriosSem categoria
Publicado em 2 ComentáriosSem categoria

  Era de tarde, véspera de feriado, e eu acabava de pegar um taxi na Avenida Atlântica, em Copacabana, em direção ao Aeroporto Santos Dumont. Viagem de volta a Belo Horizonte. O motorista estava num estado de espírito peculiar: cansado, faminto e alegre. Aquela satisfação que surge no meio da fadiga, quando a mente se liberta das referências físicas e […]

Fábula do cavaleiro universal

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

O homem seguia sozinho, montado em seu alazão, a passo lento. O chapéu de aba levantada até o topo da testa para diminuir o calor, a espingarda apoiada na perna e encostada ao ombro, cigarro de palha apagado no canto da boca. Remoía. Estrada de terra, o cerrado às suas margens sujo de poeira por obra dos torvelinhos de ventos […]

Matrix

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

  O assunto já saiu da lista dos mais comentados das redes sociais, mas a gavetinha na qual foi jogado continua aberta, ferindo nosso cotidiano. Refiro-me à modernidade mais retrógrada, à negação da liberdade, à intolerância, à busca da substituição da diversidade pela tentativa de padronização: o politicamente correto. Veste-se a palavra com uniforme monocromático para que o cidadão a […]

O engenheiro e o terrorista

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Anteontem, durante edição inesquecível do Sempre Um Papo com Frei Beto, Leonardo Boff e Sérgio Cortella, uma frase dita por Beto me fisgou: até mesmo alguém que pratica o mal o faz em busca da felicidade. Lembrei-me de Eduardo Cunha e dos envolvidos na Lava Jato. Atos de corrupção escondem muito sofrimento. Revisitei, então, esta crônica que publiquei à época […]

Varanda do mundo

Publicado em 16 ComentáriosSem categoria
Publicado em 16 ComentáriosSem categoria

Uma casa, um velho sobrado de esquina por exemplo, amarelo de janelas brancas, pode ser, de varanda ampla e abrigada pela copa de uma amendoeira, com três ou quatro cadeiras distribuídas em linha rente à parede, e uma mesa, igualmente de ferro pintado de branco, vasos de avenca, samambaia chorona e suculentas, acomodados alguns em suportes fixados à parede, outros […]