Escolhas

Publicado em Deixe um comentárioblogueiros
Publicado em Deixe um comentárioblogueiros

            Quando o filho nasceu, a felicidade foi tão grande que ele duvidou que de fato o bebê era seu. Tensionou o corpo torto e olhou de lado para a mulher, deitada na cama de hospital. Ali, naquele exato momento, realizou a troca da alegria pela velha amargura. Poucos anos depois, quando o mundo ainda era ingênua percepção, o menino […]

Fascinação

Publicado em 2 Comentáriosblogueiros
Publicado em 2 Comentáriosblogueiros

            – Olha aí, Dona Maria, não leve sua receita para passear. Na Farmácia do Cecílio tem todo medicamento que a senhora precisa pelo menor preço. Farmácia do Cecílio: tradição, qualidade e economia. A senhora conhece. De saia de elástico na cintura, flores estampadas até o meio da canela, e uma blusa branca, branca de muito asseio apesar de tanto […]

A velhice do olhar

Publicado em 1 Comentárioblogueiros
Publicado em 1 Comentárioblogueiros

“O mundo gira, a Lusitana roda”, diz a propaganda da transportadora paulista. O slogan é antigo, mas o Google informa que a empresa continua rodando. O mundo, por sua vez, nem é preciso consultar, gira cada vez mais rápido, numa velocidade febril. Qual uma centrífuga enlouquecida, vai jogando para o espaço o que parecia eterno, o que era, aos olhos […]

O comerciante, a gaiola e o homem que amava urubus

Publicado em 3 Comentáriosblogueiros
Publicado em 3 Comentáriosblogueiros

  Era uma vez uma varanda, uma gaiola e, dentro dela, um passarinho triste. O mais triste que já vi em toda minha vida. A varanda pertencia a um restaurante em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais, e o passarinho à natureza. O dono do restaurante, no entanto, acreditava que o passarinho era dele e o separou da natureza. Por […]

Manzanas de Neuquen

Publicado em Deixe um comentárioblogueiros
Publicado em Deixe um comentárioblogueiros

  Naquela época tudo no mundo era especial. Se na mesa não faltava o de comer, todo o resto era escasso e caro. A indústria era novidade e muita coisa ainda não existia ou, quando existia, não se podia comprar pronta no comércio. Era feita em casa ou encomendada. Qualquer distância era sempre longa e tudo levava tempo. Nas cidades […]

Uma história inventada

Publicado em Deixe um comentárioblogueiros
Publicado em Deixe um comentárioblogueiros

Mulher e oito filhos pequenos, panela grande demais para o pouco que tem na cozinha. O espaço que a comida não ocupa no fogo, o homem o preenche com amargura. E dela se alimenta sem qualquer tempero, farinha seca sobre o assoalho da garganta. Sem dormir, sem dormir, sem dormir, noites a fio, o homem desesperado abre a porta da […]

A sabedoria do urubu

Publicado em 2 ComentáriosSem categoria
Publicado em 2 ComentáriosSem categoria

É a regra: a vida chega e não bate campainha, abre a porta e, se estiver trancada, arromba. Se os fatos são desagradáveis e produzem desconforto, não adianta resistir. Ao contrário, quanto mais o sujeito diz “não aceito” pior fica. O pessoal da neurolinguística ensina que a mente não conhece a palavra “não”. Se alguém diz “não pense em um […]

Gervásio, o professor

Publicado em Deixe um comentárioblogueiros
Publicado em Deixe um comentárioblogueiros

O baiano Gervásio Baptista, mal passados dos dez anos de idade, subiu no banquinho para ganhar altura e encontrar o enquadramento. Trabalhava no estúdio Foto Jonas para aprender o ofício de fotógrafo. Esticou o corpo, depois curvou-se sobre o defunto para achar o melhor ângulo. Faltava só mais um pouquinho, só mais um pouquinho…, quase, quase… e o tamborete virou. […]

A casa, a luz e a penumbra

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Casa escura, os olhos se acostumam primeiro à falta de luz para reconhecer depois os contornos dos móveis e objetos. A respiração se arrasta lentamente, carrega nos ombros a obesa angústia. Pulmões sufocados de penumbra. Um estalido rompe o silêncio. À espessa densidade de viver, soma-se de repente o risco. Somados, solidão e medo, ameaçam as estruturas precárias da mente. […]

Tiago e o mar

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Fim de tarde, alguns barcos de pesca ancorados logo depois da arrebentação. O menino brincava na areia. De repente, interrompeu a correria, enlaçou as mãos às costas e olhou para o horizonte. O tempo parou. A água lhe tocava os pés, mas ele não prestava mais atenção a ela. Sem saber que em breve partiria, observou a paisagem sem perceber […]