O jagunço, a bailarina, o travesti e o presidiário

Publicado em 4 Comentáriosblogueiros, Sem categoria
Publicado em 4 Comentáriosblogueiros, Sem categoria

Era sábado de carnaval, já perto do meio-dia, quando o ônibus parou para um lanche na pequena rodoviária de uma cidade situada bem no meio de coisa nenhuma. O jagunço, a bailarina, o travesti e o presidiário, todos muito bem caracterizados, desembarcaram em animada conversa. Ao tocarem os pés no piso da plataforma de embarque, foi como se a folia […]

Conto de Natal

Publicado em 2 ComentáriosSem categoria
Publicado em 2 ComentáriosSem categoria

Ele era um homem de riso aberto, expansivo. Ela, terna, de poucas palavras. Quando o marido recebeu a primeira missão e saíram pelo mundo, já tinham cinco filhos, todos pequenos. E era tal seu poder de conciliação e tamanha a capacidade de encontrar soluções para não deixar nenhuma parte desassistida que ao primeiro êxito outros desafios foram dados. E muitos […]

O tempo

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Alfredo tinha 8 anos de idade quando seu pai cruzou a soleira da porta de casa para nunca mais voltar. Passou a vê-lo com frequência no elevador do prédio, mas agora como um estranho. Mora dois andares acima, no apartamento de uma vizinha, de quem sua mãe gostava como amiga. Mas não gosta mais. A foto dela e do “falecido” […]

Porque hoje é domingo

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Adultos são gente estranha e infeliz. Era esta minha convicção quando criança. E pedia a Deus, atemorizado só de pensar na hipótese, que nunca me transformasse num. Minhas razões eram sólidas. Exemplo? O hábito de escovar os dentes de porta fechada. Ora, todo mundo sabe que não há nenhuma necessidade de se fazer a higiene bucal pelado. Ainda mais que […]

A sempre santa realidade

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

         Julieta, digamos que seja este o seu nome, tem 11 anos e adora balé. Certo dia, a mãe chegou com uma má notícia: estava assumindo uma nova função no trabalho e teria que mudar o horário das aulas de dança da filha para a noite. Oprimida por uma timidez de silenciar a boca, a novidade doeu. Não bastasse, a […]

A sabedoria do urubu

Publicado em 2 ComentáriosSem categoria
Publicado em 2 ComentáriosSem categoria

É a regra: a vida chega e não bate campainha, abre a porta e, se estiver trancada, arromba. Se os fatos são desagradáveis e produzem desconforto, não adianta resistir. Ao contrário, quanto mais o sujeito diz “não aceito” pior fica. O pessoal da neurolinguística ensina que a mente não conhece a palavra “não”. Se alguém diz “não pense em um […]

A casa, a luz e a penumbra

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Casa escura, os olhos se acostumam primeiro à falta de luz para reconhecer depois os contornos dos móveis e objetos. A respiração se arrasta lentamente, carrega nos ombros a obesa angústia. Pulmões sufocados de penumbra. Um estalido rompe o silêncio. À espessa densidade de viver, soma-se de repente o risco. Somados, solidão e medo, ameaçam as estruturas precárias da mente. […]

Tiago e o mar

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Fim de tarde, alguns barcos de pesca ancorados logo depois da arrebentação. O menino brincava na areia. De repente, interrompeu a correria, enlaçou as mãos às costas e olhou para o horizonte. O tempo parou. A água lhe tocava os pés, mas ele não prestava mais atenção a ela. Sem saber que em breve partiria, observou a paisagem sem perceber […]

Zezinha

Publicado em Deixe um comentárioSem categoria
Publicado em Deixe um comentárioSem categoria

Zezinha é apenas papel de presente para o amor que este dia das mães inspira. Sua história o representa e revela. Assim, o texto poderia se chamar Ilka, Adriana, Stefânia, Cris, Tereza, Paula, Mônica, Lúcia, Márcia, Renata, Berenice, Carolina, Ana Cristina, Fernanda, Karina, Kátia…   Minha mãe não sabe mais beijar. Ela morde quando lhe pedem um beijo, embora desconheça, […]