Conto de Natal

Publicado em 2 ComentáriosSem categoria
Publicado em 2 ComentáriosSem categoria

Ele era um homem de riso aberto, expansivo. Ela, terna, de poucas palavras. Quando o marido recebeu a primeira missão e saíram pelo mundo, já tinham cinco filhos, todos pequenos. E era tal seu poder de conciliação e tamanha a capacidade de encontrar soluções para não deixar nenhuma parte desassistida que ao primeiro êxito outros desafios foram dados. E muitos […]

Bordados de ficção sobre a realidade

Publicado em 2 Comentáriosblogueiros
Publicado em 2 Comentáriosblogueiros

Por estas terras tão iniciais, a ficção – seja novela, filme ou futebol – carrega a tarefa de completar a realidade. As aparências, liberadas para uso sem moderação, tomam formas inesperadas, embora sejam sempre assim, cores que não combinam. Feito embrulho de coco com garrafa de pinga, impossível de fazer. E não é assim? Apois, se achegue, prove deste biscoito […]

Um vento atravessado

Publicado em Deixe um comentárioblogueiros
Publicado em Deixe um comentárioblogueiros

Num certo dia perdido no tempo, o sujeito cruzou os braços e olhou para o horizonte. Observou por alguns minutos e foi embora, certo de que conhecia muito bem o que via, entediado demais com a falta de novidade, oprimido pela sensação de vazio contida na extensa paisagem. E voltou para casa como todos os outros dias: um animal a […]

Entre dois caminhos

Publicado em 3 Comentáriosblogueiros
Publicado em 3 Comentáriosblogueiros

Em apenas dois dias, guerra e paz. Como se fosse uma vitrine, dois mundos lado a lado por escolher, dois caminhos a seguir. Cena 1: Brasília, terça-feira, fim de tarde, Bloco A da Esplanada dos Ministérios. Pela janela, coração apertado, eu os observo chegar. São jovens, homens e mulheres. Suas mãos estão crispadas, os rostos cobertos. Busco o olhar de […]

Adriana

Publicado em 5 Comentáriosblogueiros
Publicado em 5 Comentáriosblogueiros

Quando ela chegou, eu nem esperava. Fazia um tempo novo e gratificante. Eu não me sentava mais à mesa ao cair da tarde para descansar a testa sobre minhas mãos em concha. Solidão andava me desconhecendo. As minhas rimas tinham ficado pelo caminho, os versos esticados no chão por preguiça e cansaço de repetições. É que eu estava onde minha […]