Skip to main content
 -
Vicente Ribeiro
Jornalista, formado em comunicação social na UNI-BH e entusiasta do lifestyle saudável, com foco no mundo esportivo, casual e também na body art. Siga seus instintos, corra atrás dos objetivos e invista no seu look: personalidade acima de tudo! Just be yourself...

 - Giuliana Maia
Por profissão estilista, mas antes, amante da transformação da matéria prima em produtos. Formada em moda e em marketing, com 14 anos de atuação no mercado, reuniu seus conhecimentos e aspirações para fundar a Caráter e nela traduzir o melhor do universo streetwear.

Spray nas mãos e ideias na cabeça: grafite conquista espaço nos centros urbanos

Artistas visuais enfeitam as ruas de BH com desenhos e muitas cores

A arte vai ganhando espaço também nas ruas. Nos grandes centros, o trabalho dos grafiteiros, antigamente marginalizados e escondidos sob os crimes dos ‘pichadores’, conquistou adeptos e seguidores na vida urbana. Você sabia que tudo começou em Nova York, na década de 70? E com um traço bem diferente do atual? Pois é…a tendência se espalhou rapidamente e chegou com força às cidades mundo afora…inclusive no Brasil!

Apesar de ter sido em Nova York o ponto de partida, a palavra grafite é de origem italiana. Vem do termo graffito, que significa ‘escrita feita com carvão’. O plural, graffite, permitiu a adaptação para o grafite, em português. A arte das ruas aproveitou bem a miscigenação, a mistura de várias culturas e tribos, e cresceu muito nos centros urbanos.

Galeria a céu aberto: Beco do Batman, em São Paulo, atrai visitantes com muros coloridos

Muros e até prédios se transformaram em uma espécie de pintura dos grafiteiros. No Brasil, a prática começou também na década de 70, em São Paulo, mas com ares de arte transgressora, encarada como culto à marginalidade das ruas. Durante anos, a cultura foi alvo de preconceito, até se transformar em instrumento de união e comunicação entre tribos urbanas.

O spray substituiu o pincel e os muros, prédios, casas, ruas, túneis passaram a ser telas para a arte ousada e bem-humorada dos grafiteiros. Em BH, os enfeites coloridos e desenvolvidos com muita criatividade chamam a atenção em locais revitalizados, graças ao apoio da administração pública e também da sociedade. Mas é na capital paulista o foco principal do trabalho dos grafiteiros. O Beco do Batman, na Vila Madalena, ponto turístico muito visitado pela galera alternativa, é o destaque. Os desenhos começaram em meados dos anos 80, transformando as vilelas em boas opções para selfies e fotos temáticas.

Beco do Batman começou com uma imagem do personagem dos quadrinhos e virou cult

A arte do grafite virou cult e permitiu a união de tribos e a fusão entre centro e periferia. O Brasil possui grafiteiros de destaque como Eduardo Kobra, Alex Hornest, Alessandro Vallauri, entre outros. A arte visual encanta não só visitantes e moradores das cidades em museus, mas também nas ruas. E a tendência é que, cada dia, surjam mais artistas e grafiteiros de talento nas cidades brasileiras.

Vamos valorizar a arte urbana….com Caráter!!

Muro em rua de BH ganha enfeite com grafite: arte urbana em destaque

Postagens relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.