Entre angus, tintos e morcillas

Publicado em Sem categoria

Estive na churrascaria Fogo de Chão (Rua Sergipe, 3227-2730), à convite da casa, para conhecer os novos cortes do festival de carnes angus que começou ontem e vai até dia 5 de agosto. São três cortes dessa raça bovina: prime rib, miolo de alcatra e granito. Isso mesmo, granito: pedaço retirado da região do peito. Para mim, foi o destaque dessa nova leva, dado o sabor e a textura obtidos ao utilizar carne de segunda no espeto – e não na panela. Firme, mas macia. Saborosa. Gordurinha gostosa e, para quem quiser, fácil de tirar. Impressionou.   Vamos combinar: prime rib e miolo de alcatra não tem erro, né?   Vale lembrar que esse festival está incluído no preço do rodízio. A carne angus foi escolhida por estar em momento de valorização. Atualmente, cerca de 80% da carne comprada pelas unidades brasileiras são cortes de angus nacional (o restante fica entre zebu e nelore). Nos Estados Unidos, a Fogo de Chão só usa angus. As informações são de Jandir Dalberto, presidente de operações da empresa no Brasil, que estava no evento ontem. Detalhe: ele começou como garçom por lá (leia aqui).   Jandir aproveitou para informar que uma das metas da Fogo de Chão é chegar a 1 milhão de clientes servidos por ano só nas unidades brasileiras. A próxima loja a ser aberta no país será no shopping Center Norte, em São Paulo. A empresa está de olho em imóveis para inaugurar mais uma unidade no Rio e outras duas na capital paulista. No Brasil, as maiores lojas estão no Rio e em Brasília, cada uma com 500 lugares. “A de BH é a mais lucrativa”, revela ele. E mesmo compacta, a loja mineira ainda comporta ampliação.   Só por curiosidade, vale registrar aqui a seguinte informação: só nos Estados Unidos, a Fogo de Chão tem em vista pelo menos 52 cidades que podem abrigar uma de suas unidades.   Voltando ao assunto. Na mesma ocasião, houve também lançamento das caipirinhas de caju, lichia, tangerina, limão, tropical (mix de frutas) e morango com jabuticaba, todas feitas com cachaça de marca própria (produzida em Ivoti, RS). Confesso não ter experimentado nenhuma (boa desculpa para voltar!), pois fiquei ocupado demais com o delicioso Primitivo di Manduria que também leva o rótulo da casa, um tinto italiano da região da Puglia, no sul do país (no salto da bota, para ser mais “exato”). Corpo médio, concentrado e com taninos bem equilibrados. R$ 98 para tomar lá ou levar para casa.   Como fã dos rótulos portugueses, não posso deixar de informá-los que, em dois meses, a Fogo de Chão terá mais um vinho com a marca da casa, um tinto 100% touriga nacional, elaborado no Douro pela Real Companhia Velha. Atualmente, essa linha conta também com um malbec argentino, um cabernet sauvignon chileno e um barolo (italiano, obviamente). À exceção deste último, que custa R$ 198, todos custam R$ 98.   No mais, tive o prazer de confirmar o alto padrão que a casa mantém em suas outras carnes e também no bufê, bem apresentado, conciso e com ingredientes de boa qualidade. Bife ancho ótimo, costeleta de cordeiro idem, um interessante shoulder steak (corte retirado no centro da paleta bovina) e, como das últimas vezes, uma excelente morcilla, caracterizada por notas de especiarias e textura cremosa. Alguém aí sabe quem é o tal espanhol que fornece essas morcillas para a casa? Meu Deus… são deliciosas!   P.S.: Alô, Brasília! Esse mesmo festival de angus começa na unidade da capital federal dia 25 deste mês, indo até 12 de agosto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*